Salmo 122


O sentimento e a prática em relação a Jerusalém
Salmo 122.1-9

Introdução

1.Este é outro cântico dos degraus. O povo vinha em procissão e subia as escadas cantando estes salmos. Eles faziam isto nas festas três vezes ao ano.

2.Este salmo é um louvor pela Casa de Deus e por Jerusalém. É um salmo de Davi. Ele foi o fundador da capital de Judá, Jerusalém.

3.Sendo que no reino de Cristo a Igreja participará da adoração, temos de nutrir sentimento de alegria por
essa cidade e praticarmos a oração. Afinal, visitaremos Jerusalém a cada ano.

4.A cidade de Jerusalém está ligada a todos os crentes, por isso, devemos desenvolver um sentimento e uma prática em relação a Jerusalém

I.O sentimento de alegria por Jerusalém (v.1-5)
1.O salmista tem grande alegria quando pessoas apenas mencionam que desejam ir à casa de Deus. A casa de Deus já foi tabernáculo, outra vez um lugar separado para a arca, o templo e, agora, consideramos a casa de Deus o lugar onde os crentes se reúnem. Quase sempre este versículo não é uma realidade para os crentes ocidentais. Basta olhar as igrejas e ver quanto espaço há para ser preenchido. Muitos estão se alegrando mais nos programas de TV ou no preenchimento de agendas com negócios e encontros familiares ou qualquer outro tipo de diversão (v.1).

2.Aqueles que vinham em procissão paravam às portas da cidade, emocionados e gratos por Deus dar novamente esta oportunidade de adorarem ao Senhor na cidade santa. Nunca alguém valorizou tanto a comunhão entre os irmãos quando retornou de uma vida de pecado e destruição. Nós que estamos freqüentando a igreja devemos continuar não como algo sem importância, mas como pessoas muito privilegiadas. Antigamente, os crentes chegavam na igreja, sentavam-se quietos no banco e, baixando a cabeça, agradeciam por estarem naquele lugar santo (v.2).

3.Quando Davi fundou Jerusalém como a capital de Judá a cidade era compacta, ou seja, planejada. As ruas eram simétricas, as casas eram contíguas e não espalhadas {Gill} (v.3).

4.As doze tribos de Israel deveriam adorar em Jerusalém três vezes ao ano, na Páscoa, no Pentecoste e nos Tabernáculos. No reino de Cristo na terra os povos virão adorar em Jerusalém uma vez ao ano. Se temos a promessa de um lugar universal de adoração onde nós, Igreja também adoraremos, devíamos nutrir um sentimento de alegria por esta cidade (v.4-5, Zc 14.16-17).

5.Por enquanto o nosso lugar de adoração é onde estiverem reunidos duas ou três pessoas. Pode ser numa casa, num edifício construído, alugado ou emprestado, seja este simples ou luxuoso. Acima de tudo a nossa adoração é em espírito e em verdade. Um dia adoraremos com o rei Davi e todos os povos em Jerusalém. Quem nunca visitou Jerusalém, hoje, não precisa ficar triste, pois visitaremos muitas vezes no Reino do Messias.

II.A prática da oração por Jerusalém (v.6-9)
1.O sentimento é de alegria, mas deveríamos praticar mais a oração por Jerusalém. Quando amamos um lugar ou uma pessoa nós nos interessamos por saber notícias do lugar ou da pessoa. Jerusalém é a cidade eterna. Já teria sido destruída ou tomada por outros povos, mas Deus está preservando para o reino de Cristo e de Davi. Deus nunca mandou orar pela paz mundial, mas mandou orar pela paz em Jerusalém. Os que amam esta cidade serão abençoados. É a mesma promessa feita para Abraão em Gn 12. Os crentes devem orar pelas autoridades para terem vida tranqüila. Todo conflito mundial está relacionado com Jerusalém. O Islamismo quer fazer de Jerusalém a sua capital religiosa. O Catolicismo quer fazer de Jerusalém a segunda capital religiosa, mas por direito perpétuo Jerusalém é a capital do Messias de Israel (v.6, 1 Tm 2.2).

2.Se hoje Jerusalém não está em paz devemos orar, pois um dia será a cidade mundial da paz. Ali estarão os tronos de Cristo e de Davi (v.7).

3.O apóstolo Paulo orava pelos seus amigos e irmãos, os seus compatriotas. Devemos orar pelos judeus. Muitos já estão conhecendo Jesus Cristo como Messias. Outros conhecerão em meio à Grande Tribulação. A paz verdadeira para Jerusalém só virá com a vinda de Cristo para julgar as nações (v.8).

4.O salmista não separava a adoração da Casa de Deus. Sem Jerusalém não há adoração. O povo não adorava no cativeiro. Hoje, podemos adorar a Deus sem um edifício, mas no reino de Cristo, o Milênio, a adoração na casa de Deus em Jerusalém voltará. Uma forma de buscar o bem de Jerusalém é orar por ela (v.9).

5.Enquanto isso, devemos orar por nossas igrejas locais. Há muitos motivos de oração. Quem ama, ora.

Conclusão

O sentimento em relação a Jerusalém deve ser de alegria. O mundo religioso tem interesse em Jerusalém para fazer dela o seu lugar de adoração, mas a nossa alegria está somente no Senhor. Somente Cristo e Davi poderão estabelecer seus tronos naquela cidade. A prática do crente em relação a Jerusalém é orar por paz, porém, não nos enganemos sobre isto: a verdadeira paz virá com a vinda do Messias.

{Gill} John Gill´s Expositor Bible 8.11 publicado por Larry Pierce, 2000

Um comentário: