Salmo 145


A unidade em torno da Pessoa de Deus

Salmo 145.1-21


Introdução

1.Davi escreveu este salmo em ordem alfabética. Cada versículo, ou seja, cada parágrafo começa com uma letra diferente, com exceção de uma letra, a letra “Nun”.

2.Neste salmo lemos sobre a grandiosidade das obras de Deus, bem como o cuidado que Ele tem para com todos. Portanto, as obras de Deus se unem numa só para formar a sua grandeza e todos os filhos de Deus se unem para formar um só grupo de adoradores.

3.A unidade não pode ser criada por homens, pois a verdadeira unidade vem de Deus


I.A unidade das obras de Deus (v.1-9)
1.O louvor a Deus por causa de Suas obras começa por todos aqueles que reconhecem que a Sua mão é que dirige as situações do dia a dia (v.1-2).

2.A grandeza do Senhor e Sua dignidade é vista em Suas obras, as quais não podemos sondar e entender completamente. Todas as obras de Deus se unem numa só virtude que é a grandeza de Deus (v.3).

3.Todas as gerações juntarão todas as obras de Deus e terão o mesmo motivo de louvor. As proezas de Deus em tempos em tempos são despejadas sobre diferentes pessoas e diferentes épocas, mas todas as obras têm algo em comum, que é a mão de Deus. Portanto, as obras de Deus estão unidas numa só (v.4).

4.O louvor que um crente faz hoje pelas obras maravilhosas de Deus é o mesmo louvor feito por Davi há três mil anos atrás. As obras de Deus se unem em torno de Sua própria Pessoa e para Ele vai todo o louvor. Em todos os tempos crentes falarão das obras de Deus e de Sua grandeza (v.5-6).

5.Dentre as obras de Deus o salmista menciona duas, as quais são a Sua grandeza e a Sua justiça. A justiça e a grandeza também estão unidas, pois Deus é grande sendo justo. Muitos grandes para chegarem ao topo só conseguiram através da injustiça (v.7).

6.As obras de Deus carregam um lado que parece frágil para nós, mas o próprio Deus nos mostra que são virtudes que se unem em torno da Sua Pessoa. Deus é piedoso e benigno. Ele também é sofredor e misericordioso. Deus sofre, pois espera o nosso arrependimento quando pecamos. O Espírito Santo geme dentro do crente. Pacientemente Deus nos espera, ajoelhamos, para confessarmos os nossos pecados (v.8).

7.Todas as obras de Deus se unem em todos os homens, pois não há ser humano que não tenha experimentado um pouco das obras maravilhosas de Deus. Tanto os crentes como os incrédulos recebem as obras de Deus acompanhadas de Suas misericórdias (v.9).

8.Através das obras de Deus vemos a unidade em torno de Sua Pessoa. Todas as obras de Deus convergem para o mesmo ponto, que é a Sua Pessoa maravilhosa. As obras das mãos de Deus são testemunho de Sua Pessoa.

II.A unidade dos filhos de Deus (v.10-21)
1.Há uma ênfase exagerada e, pior de tudo, errônea sobre a união das pessoas com suas várias crenças. Pessoas estão lutando para que seja possível vários credos louvarem a Deus juntos. Isto é chamado Ecumenismo que vem da palavra grega “oikomenes” (habitantes de toda a terra). Infelizmente isto é uma prática aceitável para muitas igrejas, onde se diz pregar a Palavra de Deus.

2.Todos os que são de Deus se unirão em torno de Sua Pessoa, mas não significa que todos são de Deus, pois os movimentos de união das religiões não buscam um só Deus verdadeiro, mas cada um com seus deuses e ídolos querem juntar-se com outras crenças para serem abençoados por suas divindades preferidas (v.10).

3.Todos os que conhecem a Deus se unirão no Seu reino e exaltarão as suas obras. As obras de Deus têm como objetivo unir todos os Seus filhos diante de Sua Pessoa (v.11-12).

4.No reino de Cristo Jesus na terra, todos os povos se unirão numa só adoração. Todos os que confiam no Senhor caem, mas são levantados pelo próprio Senhor. Estamos unidos até nisso, ou seja, mesmo pecadores podemos louvar a Deus (v.13-14).

5.Dependemos de Deus para o nosso sustento, é para Ele que olhamos quando estamos em necessidade. Juntos, os filhos de Deus se voltam para o Senhor. Note a palavra “todos” se repetindo. Todos devem ser atraídos para a Pessoa de Deus (v.15-16).

6.As obras todas e todos os caminhos de Deus são santos, mas somente reconhecem os filhos Dele. Todos os que invocam ao Senhor são unidos, mas os que invocam outros deuses estão separados dessa comunhão (v.17-20).

7.Esse louvor sairá da boca de todos os filhos de Deus diretamente para Deus.

Conclusão
1.Neste salmo a unidade das obras de Deus e a unidade dos filhos de Deus são uma realidade e podem ser vistas nas vezes que aparecem as expressões “todas e todos”, as quais totalizam quinze vezes.

2.Todas as coisas devem convergir para Aquele que é o Criador e também para Aquele que é o Salvador.

Um comentário:

  1. Muito bem!! Gostei demais da exposição do salmo parabéns, e que Deus continua lhe abençoando cada dia.

    ResponderExcluir