Ezequiel 19


Capítulo 19: A lamentação pelos príncipes de Israel
Os indícios de leões (líderes) autodestrutivos e o final deles.
Ezequiel 19.1-9

1.Se comparássemos os líderes das Igrejas aos leões, diríamos que alguns pararam de rugir e não mais “assustam” os inimigos, porém, destroem a si mesmos.

2.Assim como os reis de Judá pouco antes e durante o cativeiro babilônico.

3.Deus comparou a nação de Judá a uma leoa que produzia filhotes que se tornavam leões, mas logo eram caçados e não rugiam mais.

4.O profeta Ezequiel tinha a difícil tarefa de “rugir” profecias de condenação contra a leoa (a nação de Israel).

5.Os líderes da Igreja são semelhantes aos líderes de Judá, ou seja, são comparados a leões.

6.Os leões podem se tornar autodestrutivos. Os indícios de leões (líderes) autodestrutivos e o final deles.


I.Quando são criados em alcatéias erradas – v.1-2
1.”... Os príncipes são Jeocaz, Jeoaquim, Jeconias e Zedequias, os quais são reis, embora chamados príncipes, sendo essas palavras sinônimos; ou, se são chamados assim de modo diminuído [pejorativo], a razão pode ser, porque se tornaram tributários, seja do rei do Egito ou do rei da Babilônia.” {Gill} (v.1)

2.A mãe de Zedequias refere-se a todo o povo de Israel. “Ela é como uma [leoa], não por sua força e glória, mas por sua crueldade e rapina; pois necessita de humanidade, misericórdia e justiça...” {Gill} (v.2).

3.Esta leoa está deitada entre leões. Isto significa que o povo de Israel descansou entre as nações que ofereciam uma falsa paz e por fim foi devorada por esses leões, tais como a Assíria, o Egito e a Babilônia (v.2).

4.Os filhotes da leoa foram nutridos entre os leões. A nação de Israel criou seus príncipes entre povos perversos e cruéis (v.2).

5.Quando os líderes das Igrejas não têm suas raízes na doutrina verdadeira se tornam agressivos contra o seu próprio povo.

6.Nunca a Igreja precisou tanto de identificação como agora. Quais são nossos costumes, nossas músicas, nossas roupas, nossa filosofia de vida?

7.Os vários movimentos são como alcatéias diferentes. Alguns leões (líderes) pegam um pouco daqui outro pouco dali e o resultado é trazer críticas para a sua própria alcatéia.

8.Se não abraçarmos nossa alcatéia o resultado será autodestruição.

II.Quando se tornam ferozes contra o seu próprio grupo – v.3-4
1.Um dos filhotes se destacou por sua crueldade para com o povo. “Este foi Jeoacaz, a quem o povo da terra tomou e ungiu-o e o fez rei em lugar de Josias seu pai (2 Rs 23.30) {Gill} (v.3).

2.As nações ouviram falar desse jovem leão, mas ele foi pego como se pega um leão, na cova (v.4). Para ler sobre esse jovem leão, Jeoacaz, veja 2 Rs 23.30-34 e Is 37.29.

3.Líderes que não amam sua própria “alcatéia” estão em perigo duplo: primeiro serão julgados por Deus e segundo as outras alcatéias acabarão com eles.

4.Líderes que querem buscar outros movimentos acabarão caindo na própria cova, perdendo a comunhão com o povo verdadeiro e perdendo a doutrina verdadeira.

III.O final desses leões – v.5-9
1.A mãe esperou o seu filhote que não retornou, então, tomou outro filhote e fez dele rei, também. Esse foi Jeoaquim ou Eliaquim (Jr 22.10-12) (v.5).

2.Andando com leões, esse filhote de leão se tornou um jovem leão cheio de tirania (Jr 22.13,17) (v.6).

3.Esse jovem leão tornou-se um traidor e assolou sua própria cidade, subjugando-a a impostos. O rugido desse leão era assustador (Pv 19.12) (v.7).

4.O fim desse jovem leão também foi a cova. Os seus caçadores foram os caldeus, sírios, moabitas e amonitas (2 Rs 24.1-2) (v.8).

5.Silenciaram o rugido desse leão feroz (2 Cr 36.6) (v.9).

6.Este será o fim dos falsos mestres, falsos irmãos e maus líderes (Jd 13).

7.Se não vier o Arrebatamento ou um arrependimento sobre a Igreja, hoje, é possível que estaremos prestes a ver um julgamento maciço contra os falsos irmãos.

Conclusão
1.É bom que os leões (líderes) cruéis sejam silenciados, mas é necessário que os leões (líderes) da nossa alcatéia rujam cada vez mais forte contra os inimigos e nos protejam.

2.Os que ainda são filhotes de leão procurem continuar na alcatéia e os que já são leões que rujam com autoridade por causa do amor aos leõezinhos.

3.Algumas alcatéias: Pastor-igreja; Líderes-escola; Pais-filhos; Alunos-colegas


{Gill} John Gill’s Expositor  (Bible on line 8.11).

A.A leoa e os leões - v.1-9
1.”... Os príncipes são Jeocaz, Jeoaquim, Jeconias e Zedequias, os quais são reis, embora chamados príncipes, sendo essas palavras sinônimos; ou, se são chamados assim de modo diminuído [pejorativo], a razão pode ser, porque se tornaram tributários, seja do rei do Egito ou do rei da Babilônia.” {Gill} (v.1)

2.A mãe de Zedequias refere-se a todo o povo de Israel. “Ela é como uma [leoa], não por sua força e glória, mas por sua crueldade e rapina; pois necessita de humanidade, misericórdia e justiça...” {Gill} (v.2).

3.Esta leoa está deitada entre leões. Isto significa que o povo de Israel descansou entre as nações que ofereciam uma falsa paz e por fim foi devorada por esses leões, tais como a Assíria, o Egito e a Babilônia (v.2).

4.Os filhotes da leoa foram nutridos entre os leões. A nação de Israel criou seus príncipes entre povos perversos e cruéis (v.2).

5.Um dos filhotes se destacou por sua crueldade para com o povo. “Este foi Jeoacaz, a quem o povo da terra tomou e ungiu-o e o fez rei em lugar de Josias seu pai (2 Rs 23.30) {Gill} (v.3).

6.As nações ouviram falar desse jovem leão, mas ele foi pego como se pega um leão, na cova (v.4). Para ler sobre esse jovem leão, Jeoacaz, veja 2 Rs 23.30-34 e Is 37.29.

7.A mãe esperou o seu filhote que não retornou, então, tomou outro filhote e fez dele rei, também. Esse foi Jeoaquim ou Eliaquim (Jr 22.10-12) (v.5).

8.Andando com leões, esse filhote de leão se tornou um jovem leão cheio de tirania (Jr 22.13,17) (v.6).

9.Esse jovem leão tornou-se um traidor e assolou sua própria cidade, subjugando-a a impostos. O rugido desse leão era assustador (Pv 19.12) (v.7).

10.O fim desse jovem leão também foi a cova. Os seus caçadores foram os caldeus, sírios, moabitas e amonitas (2 Rs 24.1-2) (v.8).

11.Silenciaram o rugido desse leão feroz (2 Cr 36.6) (v.9).

B.A videira e os ramos - v.10-14
Os retrospectos e as perspectivas da videira e dos ramos, Israel e Igreja
Ezequiel 19.10-14

Introdução
1.Ezequiel recebeu a difícil  missão de sentenciar o povo de Judá para o cativeiro. Através de várias ilustrações Deus falou ao povo por meio de Ezequiel.

2.A Igreja do Senhor Jesus Cristo não é Israel, porém, igrejas locais que se desviam do reto ensino e falsos mestres que surgem com seus movimentos se tornam semelhantes e prestes ao “cativeiro” da mão do Senhor.

3.Embora seja inevitável que aconteça, pois o contexto da Igreja mostra que muitos não se arrependerão, assim como muitos de Israel, os profetas de Deus devem advertir.

4.Não perdendo de vista que Israel é Israel e Igreja é Igreja, há ensino de sobra neste texto advertindo a Igreja contra os falsos ensinos. Os retrospectos e as perspectivas da videira e dos ramos, Israel e Igreja.

I.Deus abençoou Israel e a Igreja com riquezas – v.10
1.A palavra “dam” em hebraico significa “sangue” ou “vida”. Portanto, a mãe é o povo de Israel que tem o mesmo sangue (descendência), assim como uma videira que espalha os seus ramos (v.10).

2.O povo de Israel foi plantado junto às águas. Isto significa que Deus deu ao povo riquezas e saúde e grande descendência (v.10).

3.A Igreja, semelhantemente, foi plantada neste mundo em Cristo Jesus, portanto, é rica e saudável.

4.Nada falta para Igreja. Nem pessoas, nem dons, nem líderes, nem preparo intelectual, nem comunhão, nem dinheiro. A Igreja é rica.

II.Deus fortaleceu Israel com reis e a Igreja com líderes – v.11
1.Essa videira desenvolveu galhos fortes que serviram de cetros para os reis. De fato, a nação de Israel se fortaleceu e teve exemplos de reis fortes, pensando nos reis da nação antes da divisão e mesmo depois com a nação de Judá, o reino do Sul (v.11).

2.Alguns reis da nação se elevaram acima dos demais e acima dos reis de outras nações, como nos casos de Davi e Salomão (v.11).

3.A Igreja, também, é sacerdócio real (1 Pe 2.9). Reinaremos com Cristo em Seu reino, tendo Davi como co-regente.

4.Hoje, a Igreja não tem reis, mas possui líderes. Não existe falta de líderes, mas falta de líderes santos.

5.Onde quer que se levantar um grupo de crentes, Deus concederá líderes para melhor equipar aquele grupo.

III.A Babilônia quis destruir Israel e Satanás quer destruir a Igreja – v.12
1.O vento norte, ou seja, os caldeus, secou os frutos dessa videira. O cativeiro arrancou essa videira. As portas da cidade foram queimadas como se queima uma videira seca (v.12).

2.A Igreja não será desarraigada deste mundo até o Arrebatamento, porém, a pergunta é: “Haverá fé na terra quando o Filho do Homem vier?”

3.A verdadeira Igreja invisível não sofrerá dano, porém, a Igreja visível já está sofrendo pelos ventos fortes (do norte, sul, leste e oeste).

4.Paulo alertou-nos sobre esses ventos (Ef 4.14). Muitos frutos da Igreja já foram secados, muitas igrejas já foram arrancadas e tiveram suas portas queimadas.

5.O inferno não prevalecerá contra a Igreja, porém, Satanás arrastará quem ele puder para fora e usará os de dentro.

IV.Israel se tornou seca e deserta e a Igreja pode se tornar da mesma forma – v.13
1.O destino do que sobrou dessa videira foi uma terra deserta e sedenta, a Babilônia. A nação de Israel foi arrancada de seu lugar e replantada numa terra miserável (v.13).

2.Se não vier o Arrebatamento ou um arrependimento sobre a Igreja, hoje, é possível que estaremos prestes a ver um julgamento maciço contra os falsos irmãos.

3.Arrancar a videira de um lugar fértil e replantar num lugar árido é desastroso. A Igreja perdendo sua fertilidade está correndo o risco de se tornar seca, deserta e sem vida.

V.Israel foi afligida pelo próprio rei e a Igreja tem sido atacada pelos próprios líderes – v.14
1.A situação já estava ruim quando saiu fogo de um dos ramos e consumiu o fruto dessa videira que já estava fraca. Isto aconteceu quando o rei Zedequias se rebelou contra a Babilônia (2 Rs 24.20) (v.14).

2.Não houve mais vara forte na videira, assim como não houve mais rei em Israel. Os frutos foram destruídos, assim como o povo da nação foi levado ao cativeiro (v.14).

3.Como se não bastassem os de fora, os próprios líderes da Igreja têm destruído a plantação de Deus.

4.A tendência é sumirem os verdadeiros líderes e restarem apenas galhos secos e folhas caídas.

Conclusão
1.É verdade que “as portas do inferno não prevalecerão”, mas também é verdade que Paulo disse que quem destruir o santuário, que é a Igreja, Deus o destruirá (1 Co 3.17).

3.Mas assim como Israel não pode ser destruída, a Igreja participará do reino eterno com Israel. Prepare-se!

7 comentários:

  1. Gostei muito:simples e objetivo.
    Deus continue te usando poderosamente mais em o nome do Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito:simples e objetivo.
    Deus continue te usando poderosamente mais em o nome do Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
  3. Paz querido, gostei Deus continue abençoando seu ministério!!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Simples e objetivo, Deus abençoe!

    ResponderExcluir
  5. Palavra maravilhosa Deus abençoe

    ResponderExcluir
  6. Perfeita explicação Deus abençoe, fica na santa paz do senhor Jesus.

    ResponderExcluir