Ezequiel 20

Capítulo 20: Os pecados da nação de Israel
1.A respeito das datas Gill assim escreveu: “[aconteceu no sétimo ano] do reinado de Zedequias e do cativeiro de Jeconias; daí são tiradas as datas das visões e profecias de Ezequiel (1.2,8.1); dois anos, um mês e cinco dias após Ezequiel começar a profetizar e onze meses e cinco dias após a profecia anterior: [no quinto mês, o décimo dia do mês]; o mês Ab, o qual corresponde a nós Julho e Agosto; neste dia Jerusalém foi duas vezes destruída, primeiro pelos caldeus e então pelos romanos...” {Gill}. Os líderes, agora preocupados, buscaram Ezequiel para fazer-lhe perguntas. É necessário sofrimento, muitas vezes, para que a liderança se desperte para o Senhor e Sua Palavra. Inquirir pode ser bom, mas o tempo para isso já havia passado. Deus já havia planejado o cativeiro para o povo. “... Este foi o caso de Saul, a quem Deus, quando inquirido por ele, não responderia de qualquer maneira usual (1 Sm 28.6).” {Gill}. Deus se dirige ao profeta Ezequiel e lança uma pergunta retórica: “Tu os julgarias?” Isto quer dizer mais ou menos isto: “Tu os justificaria... defenderia a sua causa, rogaria por eles? Certamente que não...” {Gill}. O povo está neste estado por causa de sua própria perversidade e não dos pais. Estão apenas imitando o que os
pais também fizeram. É muito arriscado tentar defender os culpados. A mão de Deus caiu sobre Sodoma e Gomorra e Ló não devia defender a cidade, mas somente ficar aflito por ela. Da mesma forma, Noé não devia abrir a porta da Arca se pudesse, pois o povo teve tempo de se arrepender, mas não o fez (v.1-4).

2.O povo tem várias razões para reconhecer o amor de Deus.

1) Israel foi escolhida por Deus (v.5)
2) Israel é a semente de Jacó (v.5).
3) Deus Se fez conhecido para Israel no Egito através de Moisés (“Eu Sou”) (v.5).
4) Deus libertou o povo da escravidão do Egito (v.6).
5) Deus levou o povo de volta para uma terra boa, fértil e gloriosa entre as nações (v.6)

3.Deus apenas pediu o óbvio para a nação: que não se contaminasse com os ídolos. A expressão ylwlgb  (traduzida como “ídolos do Egito”) significa “monte de estrume” (conforme Gill). O povo de Israel desobedeceu a ordem de Deus e não experimentou a vitória de entrar na terra (v.7-9).

4.Foi o próprio Deus quem tirou o povo do Egito e também foi Ele quem levou este povo ao deserto. O tempo no deserto foi providência do Senhor para que o povo recebesse a Lei. Se houvesse obediência, haveria vida. Um dos mandamentos e privilégios que Deus concedeu ao povo para distingui-lo das demais nações foi o sábado. Não era apenas um dia de descanso, mas um dia de festa ao Senhor, de separação de vida e propósitos para Ele. O povo de Israel, debaixo da proteção de Deus, preferiu andar em seus próprios caminhos pecaminosos. Os sábados foram ignorados e passaram a usá-los para o seu próprio deleite e não para o Senhor. A ira do Senhor caiu sobre o povo, impedindo-o de entrar na terra da promessa, Canaã. Agora o nome do Senhor está “em jogo”. A própria honra de Deus diante das nações está afetada. Ele tirou o povo de Israel do meio das nações para ser totalmente Dele e os sábados foram o sinal de separação. Restou para o povo o juízo de Deus. Não apenas ignoraram os sábados, mas os usaram para dar atenção aos ídolos, portanto, profanaram os sábados do Senhor. Ninguém há que fique sem adorar, pois alguém adora o Deus verdadeiro ou outro qualquer. Apesar do juízo de Deus sobre a nação, Ele poupou a descendência de Jacó, porém, advertiu a nova geração sobre os pecados dos pais, inclusive quanto aos sábados (v.10-20).

5.Antes mesmo de chegar na terra prometida, a nova geração se rebelou contra Deus nos mesmos pecados e, por isso, Deus completou sua ira no deserto. Contudo, Deus preservou o povo por causa de Seu próprio nome, embora tenha espalhado Israel pelas nações. Os juízos de Deus se tornaram destrutivos para um povo mal e desobediente. O próprio Deus os contaminou em suas ofertas e sacrifícios de crianças aos falsos deuses (Nm 25.3). O povo blasfemou o nome do Senhor, adorando falsos deuses. “Bamá” significa “lugar alto” por causa da pergunta de Deus “Que alto é este?”. Eram os montes onde o povo sacrificava aos ídolos. A geração que entrou na terra de Canaã cometeu idolatria como os seus pais no deserto. Diante dessa idolatria, o povo não tem direito algum de inquirir o Senhor, mas, sim, o Senhor inquirir o povo. Israel quis ser como as nações, mas Deus não permitiu e jamais permitirá (v.21-32).

6.O povo não quis, mas Deus prometeu governar sobre o povo com ira derramada, mão forte e braço estendido, juntando-os de todos os lugares em que estiverem espalhados. Deus julgará o povo no deserto da Babilônia, assim como julgou seus pais no deserto da peregrinação. A vara da correção fará o povo obedecer ao concerto. Haverá uma separação dos justos e dos ímpios tal como no deserto. O povo continue a se contaminar já que não quer adorar ao Senhor, porém, o nome do Senhor não será mais contaminado com idolatrias na terra de Canaã. Haverá purificação no santo monte de Deus. Um dia o povo adorará ao Senhor somente. Deus os resgatará dentre todas as nações. Israel será curada da idolatria. As lembranças de seus pecados causarão nojo no povo e saberão que o resgate foi por causa do amor de Deus para com o povo não merecedor (v.33-44).

7.O profeta Ezequiel novamente tem uma tarefa difícil. Desta vez, profetizar contra a Cidade Santa, Jerusalém. “A cidade de Jerusalém, na terra da Judéia, a qual é cheia de pessoas, como uma floresta de árvores; mas estas estéreis e infrutíferas, como geralmente são as árvores de lenha; e um aglomerado de pessoas más, comparáveis a feras que frequentam as florestas.” {Gill}. Essa floresta, que é Jerusalém, será queimada. Tanto as árvores secas como as verdes, ou seja, todos os tipos de pessoas, pobres e ricos, bons e maus. Não só Jerusalém saberá que o Senhor fez aquilo, mas até as nações vizinhas. As pessoas não darão crédito às profecias de Ezequiel (v.45-49).

4 comentários:

  1. Excelente estudo. Que o Senhor continue abençoando sua vida com a sabedoria necessária para compreender sua palavra.

    ResponderExcluir
  2. Excelente estudo. Que o Senhor continue abençoando sua vida com a sabedoria necessária para compreender sua palavra.

    ResponderExcluir
  3. Qro muito aprender a pregar ..a entender os versículos. .pois ainda não entendo quando abro a bíblia...

    ResponderExcluir