Ezequiel 26

Capítulo 26: Profecia contra Tiro
1.Onze meses após a prisão de Jeoaquim, chegou a vez de Tiro ser julgada por ter zombado de Judá. A porta dos povos foi quebrada e Tiro se alegrou. Isto se refere aos muros e portas de Jerusalém os quais foram derrubados. Assim como ondas bravias, os exércitos dos caldeus virão contra Tiro e também derrubarão seus muros e as torres construídas em cima deles. Como Tiro é uma cidade portuária os seus destroços ficarão à deriva no mar e nas praias. Também as mulheres serão mortas sem piedade. A poderosa e temível Babilônia com seus príncipes guerreiros e carros de guerra invadirão Tiro, causando toda essa destruição. As filhas aqui não é uma repetição do versículo 6, mas são as cidades. Cada lugar de destruição será marcado com um forte. Portanto, os caldeus atacarão e se defenderão dentro das próprias cidades de Tiro. Usarão trabucos, uma espécie de catapulta, máquina que lança pedras. A cena será terrível, muita poeira e destroços. Não haverá lugar onde os cavalos não correrão em Tiro. Os lugares
fortificados serão derribados. Por se tratar de uma cidade de comércio, haverá muitos saques e por se tratar de uma cidade portuária haverá muita madeira e objetos flutuando nas águas. Sendo uma cidade rica em bens e culturas diversas, havia em Tiro muita música e variedade de folclore. Mas tudo isto se transformará em tristeza quando a Babilônia invadir Tiro. Ninguém mais habitará ali, somente os pescadores para limpar suas redes (v.1-14).

2.As ilhas vizinhas devem temer por causa da queda de Tiro. A repreensão causa temor nas pessoas próximas. As vaidades e posições nada são quando se sente o peso do quebrantamento. A queda de um gigante faz todos tremerem e comentarem. A glória do Senhor é vista com a queda de povos. Tiro não será mais nada para o mundo. Ninguém precisa chegar ao estado de falência total, mas pode, hoje, se arrepender dos pecados e buscar a Deus (v.15-21).

Nenhum comentário:

Postar um comentário