Ezequiel 32

Capítulo 32: Lamentação sobre Faraó, o rei do Egito
1.A data é sempre contada a partir do cativeiro do rei Jeoaquim. Faraó tinha todo o poder como o leão e o dragão. Fazia o que queria no seu rio, mas Deus o apanhou numa rede, juntamente com outras nações. Das águas do Nilo para a terra seca, o Egito, como um monstro marinho,  não sobreviverá aos ataques das aves de rapina. Haverá muito derramamento de sangue na própria terra do Egito. A guerra produzirá muita fumaça no céu. O reflexo da queda do Egito se fará sentir em muitas nações, até desconhecidas pelo Egito, pois foi uma nação famosíssima. A destruição do Egito trará muito temor sobre as outras nações. Cada um no Egito lutará pela sua própria vida e não haverá tempo para lutar por nenhuma outra causa. A poderosa
Babilônia será a espada que ferirá o Egito, acabando com a sua arrogância e os seus soldados valentes. O rio Nilo, a expressão máxima do Egito será afetado, pois não haverá mais pessoas passando por ele e nem animais. A queda do Egito será um grande testemunho de que Deus existe e domina sobre as nações (v.1-16).

2.A dispersão do Egito mostra a sua derrota, pois uma nação que não misturava com as outras, mas pelo contrário, recebia as outras nações que lhe pediam favores. O Egito se rebaixou às nações que sofreram espada. O arrogante nunca pensa que um dia ele pode estar no mesmo nível que os outros. Assur é na Assíria, Elão na Pérsia, Tubal e Meseque entre os citas, Edom na Iduméa, os do norte são a Síria, Tiro e Sidom (v.17-32).

Nenhum comentário:

Postar um comentário