Habacuque 2


Capítulo 2: Esperando a resposta de Deus
1.Aqui está uma grande falha em nossas orações: não esperamos por resposta. Talvez porque não creiamos que Deus responderá ou porque não temos paciência para esperar pela resposta Dele. Seja como for, nós somos muito prejudicados na vida cristã por causa dessa incredulidade, pois Deus poderia fazer muito mais por nós e a nossa fé seria cada vez mais consolidada. Não há pecado em questionar diante do Senhor aquilo que não entendemos, mas se fizermos isto devemos esperar o que Ele tem para dizer, pois do contrário, acabaremos nos rebelando contra os Seus métodos de trabalho em nossas vidas. Habacuque se pôs na torre de vigia. É diferente do que distrair a mente para não pensar nas grandes questões. Ele estava realmente interessado que Deus lhe explicasse porque usaria os caldeus para disciplinar o Seu povo. A torre de vigia era um lugar alto preparado para a sentinela avisar de algum perigo iminente ou de algum mensageiro ou forasteiro que se aproximava da cidade murada. Mais tarde introduziram também nos navios mercantes do século XV. Um vigia ficava dentro de uma espécie de cesto no mais alto mastro para avisar de perigos de navios piratas que singravam os mares. Uma sentinela jamais pode cochilar e muito menos dormir. Está sempre atento, esperando. Habacuque quer a resposta de sua queixa e não mede esforços para esperar. O crente não deve apenas orar, lançar sua ansiedade diante de Deus, mas deve ir além e esperar pela resposta. O profeta Habacuque quando diz que está na torre de vigia, sobre a
fortaleza, vigiando e esperando, tem algo muito importante a nos ensinar (v.1).

1°)Habacuque entregou o seu problema (ansiedade) a Deus. Agora ele apenas espera a resposta.
2°)Habacuque descansou e ficou numa posição vantajosa. A visão dele agora é do alto, ampla.
3°)Habacuque sai do “vale” e colocou-se nos lugares altos. Ele não ficou no nível do chão, falando para os outros sobre os seus problemas.
4°)Habacuque não olhava mais para o problema, mas para Deus.

2.O Dr.Martyn Lloyd-Jones em seu livro “Do temor à fé” diz que Deus responde de várias maneiras as nossas orações e não está limitado a apenas uma forma.[1]

1) Podemos esperar que Deus responda enquanto lemos a Sua Palavra, a Bíblia.
2) Deus também às vezes responde diretamente ao nosso espírito (mente).
3) Outras vezes Deus responde às nossas orações ordenando situações e acontecimentos  cotidianos da vida.

3.O importante é esperarmos a resposta de Deus. Devemos buscar a vontade Dele. Talvez uma pessoa de fé não devesse ser avaliada pelo o que ela recebe de Deus, pois Deus é misericordioso e nos dá até mesmo quando não pedimos, mas uma pessoa de fé deve ser medida pelo o que ela faz depois de ter orado. Alguém que espera em oração é mais seguro do que aquele que é arrogante e confia em si mesmo. A seguir dez exemplos bíblicos de pessoas que esperaram em Deus por uma resposta.

Personagem
O que esperava de Deus
O que fez enquanto esperava
Ref.
Abraão
Livramento da morte de Isaque
Pegou a lenha, o fogo e o cutelo, edificou o altar, amarrou Isaque e se preparou para o sacrifício.
Gn 22.1-14 “Deus proverá”
Moisés
Pão para o povo
Disse ao povo: “Pela manhã vereis a glória do Senhor”
Êx 16.4-15 “Jesus é o Pão da Vida”
Josué
Que o rio Jordão se abrisse
Mandou o povo marchar sob a ordem de Deus
Js 3.1-17 “Deus abre as águas”
Rute
Um resgatador para si e sua sogra
Encontrou-se com Boaz, obedecendo Noemi, sua sogra e apenas esperou
Rt 3.1-18 “Cristo é o nosso Resgatador”
Ana
Um filho
Orava
1 Sm 1.1-18 “Deus ouve”
Jesus
Livrar-se do cálice da morte
Orava repetidas vezes e fazia vigília
Mt 26.36-39,42-46 “Seja feita a vontade do Pai”
O publicano
Ser aceito por Deus
Orava arrependido e contrito
Lc 18.13-14 “Jesus é a nossa Propiciação”
O ladrão na Cruz
Entrar no Paraíso
Sofria
Lc 23.39-43 “Jesus é Salvador”
Paulo
Que ficasse livre do espinho na carne, mensageiro de Satanás
Pediu três vezes e recebeu não a cura, mas a graça
2 Co 12.7-10 “A  graça de Deus é melhor que a vida”
Todos os crentes
Ficarmos livres da ansiedade por causa dos problemas da vida
Lançar sobre o Senhor a ansiedade e esperarmos
1 Pe 5.8 “Ele tem cuidado de nós”

4.Que recompensa para o crente quando ora, muitas vezes angustiado, espera na torre de vigia e a resposta vem! É como a água refrescante para o sedento. O Senhor respondeu para Habacuque e responderá a todo o crente que diligentemente orar e esperar pela resposta. Deus entende a perplexidade de Habacuque, ou seja, Deus sabe que os caldeus são piores que o povo de Israel e, por isso, também castigará a Babilônia. Deus respondeu a Habacuque através de uma visão e ele deveria escrever numa tábua. O sentido da frase “para que a possa ler até quem passa correndo”, pode ser entendido de duas formas (v.2).

1)A placa é grande (um “outdoor”) e qualquer um, mesmo que estiver correndo, pode ler.
2)Aquele que passa e lê, toma ânimo e corre para obedecer, pois Deus destruirá os inimigos.

Seja como for é uma placa que dá para todos ler e a mensagem é animadora para os sofredores.

5.As profecias dos homens do passado que eram dirigidos por Deus eram verdadeiras, pois não vinham da opinião deles, mas eram a própria palavra de Deus (“escreve a visão e grava-a”). Muitos enganadores surgem em todas as épocas predizendo o futuro, mas só Deus é verdadeiro e a Sua Palavra. Não é necessário e nem permitido acrescentar mais nada à Palavra de Deus. Deus revelou para Habacuque que levantaria os caldeus para castigar o povo, mas também revelou que Deus destruiria os caldeus após usá-los para o Seu propósito. Quem espera tem a segurança da resposta de Deus, mas quem é arrogante e não consegue esperar, de Deus verá a repreensão (v.2).

6.Tudo o que Deus começa Ele termina. Deus nunca deixou uma obra incompleta, ainda que para nós pareça que Deus se atrase. Deus tem um tempo para dar a resposta para nós. Só Ele sabe esse tempo, mas Ele nunca falha. Para manter a calma nos momentos difíceis é necessário crer que Deus responde no momento certo. Hoje, podemos não entender onde Deus quer chegar, mas podemos crer que Ele nos levará a um lugar seguro. No caso da nação de Judá, Deus os ensinaria uma lição pelas mãos dos caldeus durante 70 anos. Deus usa instrumentos que não entendemos e, por vezes, esses instrumentos também precisam de disciplina e Deus também reserva um tempo determinado para isto. Se hoje Deus trabalha conosco, então a nossa atenção deve se fixar naquilo que Ele quer para nós e não em que Ele fará com outros. Algum dia Deus dará respostas a todas as nossas questões que tanto nos perturbam hoje. Vernon McGee, comentarista bíblico, disse: “Eu não estou interessado nas ruas de ouro do céu, mas eu estou muito interessado em obter as respostas para as grandes questões que confundem a humanidade em nossos dias”. Quem espera no Senhor obterá as respostas, mas mesmo que não obtivermos respostas aqui devemos perseverar em confiar só Nele (v.3).

7.Se por um lado aquele que espera no Senhor experimenta segurança, aquele que confia em seu próprio “relógio” é arrogante e experimentará muita insegurança. Este é um dos mais importantes versículos da Bíblia. Paulo e o escritor aos Hebreus citaram este versículo em suas epístolas (Rm 1.17, Gl 3.11, Hb 10.38). Este versículo menciona os dois tipos de pessoas que há em toda e qualquer parte do mundo: os que não confiam em Deus e os que confiam em Deus. Os que não confiam em Deus são os que não esperam Nele e não ficam na torre de vigia. Deus os considera soberbos. A alma deles não é reta diante de Deus. Aqueles que não esperam somente em Jesus Cristo para a sua salvação são arrogantes e estão perdidos. Aqueles que são salvos, porém, não esperam o livramento Dele para as suas vidas, também são arrogantes. Alguns não creem nas promessas de Deus, pois não conseguem entender porque uma pessoa começa a servir a Deus, passa a ter sofrimentos maiores do que quando não servia a Deus. Tais pessoas são arrogantes porque amam mais as coisas do mundo do que a Deus. Não há promessa alguma que o crente não passará por sofrimentos, mas há uma maravilhosa promessa: “O justo viverá pela fé”. Só há duas maneiras de viver neste mundo: ou vive-se pela fé ou vive-se em incredulidade. Alguém pode defender uma doutrina, uma denominação ou qualquer outra opinião, mas se não andar por fé é arrogante e incrédulo. Quem não anda por fé, anda em incredulidade e em arrogância e, portanto, anda em pecado e precisa confessar humildemente diante de Deus o seu pecado. Todos sabem que Deus age, porém, nem todos creem que Ele agirá na situação que está passando. Habacuque era um homem de fé. Ele teve problema em aceitar as situações da vida, mas orou ao Senhor e esperou na torre de vigia pela resposta. O arrogante é inseguro porque confia em si mesmo. A pressão é muito grande quando afirmamos coisas que não podemos manter. Por exemplo, afirmar que o fiel é próspero financeiramente e saudável fisicamente se torna uma pressão enorme. A insegurança desses é algum dia passar por aperto financeiro e debilidade física. É arrogância não esperar em Deus somente (v.4).

8.Quem não vive pela fé é arrogante, pois confia em si mesmo, achando que não precisa de Deus. Os caldeus são o exemplo de arrogância, pois eles fazem suas próprias regras e são o seu próprio deus. Ainda que demore um pouco aos nossos olhos, para Deus o juízo sobre o arrogante é certo. A arrogância é como a bebedeira. Por um tempo a pessoa se sente dona de si mesma, até que chega o juízo novamente e a vergonha prevalece. A história da lebre e a tartaruga tem muito a nos ensinar a respeito da humildade e arrogância. Enquanto o arrogante zomba do humilde, este prossegue em seu caminho, não se detendo às zombarias contra ele proferidas e o resultado é a queda do arrogante e a exaltação do humilde. Um dos pecados mais comuns da Babilônia era a bebedice. As festas eram momentos degradantes nas quais príncipes se embebedavam e perdiam o seu juízo. Os caldeus eram gananciosos por conquistar os povos inocentes. A boca deles destruía. Deus levantou os reinos da Média e da Pérsia para destruir a Babilônia. Deus também ajuntou as nações para rirem da Babilônia. Toda arrogância será derrubada por Deus. Seja o incrédulo que não crê na Palavra de Deus ou seja o crente que anda em desobediência ao seu Senhor. Não há segurança alguma no orgulho, mas em esperar em Deus o crente está totalmente seguro (v.5)

9.A nação da Babilônia foi o instrumento usado por Deus para repreender a nação de Judá. Mas isto não significa que a Babilônia era uma nação melhor do que Judá e muito menos mais santa. Deus usa quem Ele quiser para repreender o Seu povo e no momento certo repreende também os seus instrumentos de justiça. A Babilônia foi perversa e Deus também repreendeu. Os gemidos dos caldeus devem ser ouvidos por todos os que não estão andando corretamente quanto ao dinheiro, violência, alcoolismo e idolatria. Os caldeus despojavam aqueles que invadiam. Judá foi despojada. Todas as suas riquezas foram aproveitadas pelos caldeus. Até mesmo as pessoas se tornaram mão de obra barata para a nação da Babilônia. A Palavra de Deus condena aquele que toma penhores, tornando as pessoas fracassadas e desmoralizadas. Um crente deve sempre ter em mente que ser agiota é algo intolerável (v.6).

10.Aqueles que quiserem lucros fáceis terão de responder ao maior credor, que é o próprio Deus com Sua justiça. Neste mundo não há justiça imediata, mas o Senhor julgará todas as coisas aqui ou na eternidade. A Babilônia ao ser dominada pelos medos-persas foi despojada imediatamente de seu rio, o Eufrates. Passou a gerar riquezas para o seu inimigo. Todos os que pensam em se enriquecer de modo fácil e ilícito, devem se lembrar do exemplo da Babilônia. Deus é tão justo com indivíduos quanto o é para com as nações. O enriquecimento ilícito é um pecado e este não ficará sem gemido. Cada um deve examinar sua fonte de renda para saber se tem sido totalmente honesto (v.7-8).

11.A violência é uma covardia ao mesmo tempo, pois a força adquirida através da violência é feita a partir de sangue inocente. Assim como algumas poucas aves fazem seu ninho em penhascos, protegendo os seus filhotes, pessoas violentas se mantêm numa aparente segurança. Deus trouxe vergonha para a segura e violenta Babilônia. Ao destruir povos, a Babilônia estava destruindo a si mesma pelo julgamento divino. Os caldeus podiam perceber o juízo de Deus em sua própria casa. Cada pecador pode ver, por si mesmo, e sua consciência que não está agradando a Deus. A arrogância contra os mais fracos é uma forma de violência. Os que se sobressaem através da humilhação das pessoas já são violentos e isto Deus quer mudar em Seus filhos. Deus permite aos violentos um certo espaço, porém, é a forma de Deus trazer juízo contra eles próprios. Desde que Caim “abriu a torneira”, os assassinatos não cessaram. O mundo é sanguinário porque Satanás, o seu deus, é mentiroso e assassino. Um dia não haverá violência no mundo, mas o conhecimento completo da glória do Senhor (v.9-14).

12.O alcoolismo é alarmante em todos os lugares do mundo. A ideia de que só os países de terceiro mundo ingerem bebida é muito mentirosa. A diferença é que os ricos ficam bêbados em casa e os pobres nas sarjetas. Os famosos pubs ingleses são prova de que os ricos e os jovens de famílias também estão escravizados. Os jovens têm buscado a bebida como pretexto para praticarem a imoralidade. Rapazes seduzem moças com bebidas para terem relações sexuais com elas. Se os pais bebem um pouquinho, não devem se impressionar se os seus filhos se tornarem beberrões e devassos. A bebida já é repugnante e pior se torna ao incentivar o sexo ilícito. As filhas de Ló o embebedaram para terem relação sexual com o próprio pai. A bebida esteve ligada com a nudez na casa de Noé. A bebida e a nudez também foram parceiras no episódio no bezerro de ouro. Portanto, a bebida está intimamente ligada à nudez pecaminosa (v.15).

13.Deus também fez com que a Babilônia se embriagasse de vergonha e expusesse a sua nudez diante dos povos. O beberrão sempre será envergonhado e ficará desnudo diante das pessoas. Moralmente e, talvez, até literalmente. A Babilônia para vencer Israel e os outros povos teve de enfrentar as feras. Mas Deus voltou todo esse medo contra os caldeus quando invadidos pela governo medo-persa (v.16-17).

14.O ídolo nada mais é do que a obra de arte de alguém. Todos sabemos que nenhum pedaço de pau, pedra, gesso, ferro ou qualquer material tem poder espiritual. Os materiais de um ídolo podem ser os mais caros, ainda assim não tem nenhum valor de transformar qualquer situação. A adoração é espiritual. Jesus disse que “importa que os adoradores adorem em espírito e verdade”. A idolatria é totalmente física e não tem nada a ver com a verdade. Deus continua soberano e todos devem se calar diante Dele. Abaixo algumas características dos ídolos que mostram sua ineficácia para socorrer-nos (v.19-20).

1ª) É feito por um homem como nós. Um trabalhador que precisa sustentar sua família.
2ª) É esculpido e por isso mesmo é feito com material que não é Deus e pode ter falhas.
3ª) Alguns ídolos são de fundição, um processo de calor realizado por trabalhadores comuns.
4ª) Ídolos são mestres de mentiras. É tudo engano.
5ª) Ídolos não falam e se falassem seria por alguma tecnologia ou por obra do maligno.
6ª) Os ídolos não ouvem o clamor de ninguém.
7ª) Os ídolos não podem ensinar.
8ª) Os ídolos, apesar de alguns serem de materiais caros não têm vida interior.

Os Cinco ais da Babilônia
O primeiro ai contra a Babilônia é por causa do enriquecimento ilícito (v.5-8)
O segundo ai contra a Babilônia é por causa da cobiça (v.9-11)
O terceiro ai contra a Babilônia é por causa da violência e iniquidade (v.12-14)
O quarto ai contra a Babilônia é por causa da sedução contra outros por meio da bebida (v.15-17)
O quinto ai contra a Babilônia é por causa da idolatria (v.18-20)



[1] Do temor à fé – Estudos no livro de Habacuque, pg. 20-21 - D. Martyn Lloyd-Jones (Editora Vida – São Paulo - 5ª impr. 1995)

3 comentários:

  1. Maravilhoso... Parabéns meu querido irmão. Sou seu seguidor agora!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Ronildo. Aproveite a leitura.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo, parabéns, Deus abençoe varão!!!

    ResponderExcluir