Mateus 17

Capítulo 17: A transfiguração, Elias e os impostos
1.A Transfiguração era um vislumbre do estabelecimento do reino, pois este já teria sido postergado (adiado). O assunto a seguir com os discípulos era a morte de Cristo, a rejeição máxima por parte dos judeus. Moisés e Elias representam a Lei e os Profetas (v.1-8).

2.Elias deveria vir antes do estabelecimento do reino. Se contar esta vinda e a de João Batista já teria se cumprido a profecia para o estabelecimento do reino de Cristo. Porém, os judeus não aceitaram Jesus como o Cristo. Jesus não nutre nenhuma esperança aos discípulos sobre o reino para a época deles. O reino agora será diferente, pois será um reino sem o Seu Rei. O Rei será morto. O reino será no coração até que o Rei retorne e estabeleça definitivamente o Seu reino na terra. Enquanto isso, Jesus opera os sinais que somente o Messias poderia realizar como a cura do jovem possesso. Os discípulos também poderiam expulsar, pois receberam autorização Dele, porém, não creram em Suas
palavras. Jesus reforça a advertência de que será preso, morto e ressuscitado (v.9-23).

3.Em tudo Jesus é um homem perfeito, mas como todo teste de honestidade e integridade deve incluir as finanças, Jesus é provado ser um homem submisso e justo ao pagar corretamente suas contas enquanto estava na terra. A desculpa de impostos abusivos e falta de rendimentos não são aceitas. Jesus é o supridor das necessidades para que os Seus servos vivam aqui com bom testemunho. Ele tira o suprimento até da barriga de um peixe se for necessário. O ensino principal é que o Reino não será estabelecido agora, pois se fosse o Rei e os filhos não deveriam pagar impostos. O imposto aqui é específico. É o “imposto das duas dracmas” (ta didrachma), referente às despesas do Templo. Todo homem acima de vinte anos de idade tinha que contribuir (Êx 30.14 e Ne 10.32-33). Não é um imposto que vai para Roma, mas para a obra de Deus. Um estáter (tetradrahma) equivalia a quatro dracmas, o valor do imposto para duas pessoas. Warren W. Wiersbe em seu comentário bíblico expositivo observa algumas características singulares no milagre da moeda dentro do peixe. (v.24-27, ver também 22.15-22, este texto, sim, se refere a Roma).

Características singulares do milagre da moeda no peixe
1.É registrado apenas por Mateus. É curioso, pois Mateus era um cobrador de impostos.
2.É o único milagre que Jesus realizou para suprir as próprias necessidades. Ele não queria escandalizar outros.
3.É o único milagre envolvendo dinheiro.
4.É o único milagre que Jesus usou apenas um peixe. Não há acaso (alguém perde moeda, o peixe come, e está ali quando Pedro o pesca). Deus move as situações para o suprimento de seus servos.
5.É um dentre os vários milagres realizados em favor de Pedro (cura da sogra, na pescaria com rede, andar sobre as águas, cura da orelha de Malco que Pedro arrancou, libertação da cadeia em Atos 12).
6.É o único milagre cujo resultado não está registrado. Não existe v.28! Como sabemos que Pedro pescou, de fato e achou a moeda? Cremos porque Jesus disse que aconteceria. Pedro não era acostumado a pescar com anzol. Teve que exercer fé.

Por que pessoas deixam de contribuir para a obra de Deus?
1.Porque não amam a obra de Deus
2.Porque têm medo que fará falta
3.Porque são sustentados pelo Evangelho e acham que não precisam contribuir (Lembre-se de que Jesus é o Filho do rei e dono do Templo e contribuiu. Havia o dízimo dos dízimos dados por quem era sustentado por ofertas, os levitas e sacerdotes).
4.Porque não veem necessidades que justifiquem a entrada de dinheiro
5.Porque nunca foram ensinados correta e biblicamente
6.Porque estão traumatizados com os mercenários e enganadores inescrupulosos
7.Porque acham que não ofertando ficarão mais ricos
8.Porque não estão ficando ricos
9.Porque estão endividados e com o orçamento comprometido

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário