Mateus 9


Capítulo 9: As curas, os pecadores, o jejum e a obra do Senhor
1.Na cura do paralítico Jesus fez uma pergunta impossível de qualquer ser humano responder (“Qual é mais fácil?”). Nem curar e nem perdoar estão nas capacidades do homem. Entendemos que a paralisia daquele homem era devido a pecado, embora não seja um padrão para as doenças (v.1-8).

2.Mateus era considerado um grande pecador pelos judeus, pois sendo um coletor de impostos, era considerado um traidor de seu povo e um extorsionário. Deve ter sido uma alegria para Mateus ter sido inspirado por Deus para escrever de si mesmo neste evangelho. Mateus foi um pecador resgatado por Aquele que foi criticado pelos fariseus nos versículos seguintes por tomar refeição com pecadores. O Senhor permite comermos com incrédulos, mas nos impede de comermos com os falsos irmãos ou aqueles irmãos que andam em pecado de obstinação (1 Coríntios 5.9-13). O cuidado para com os necessitados vale mais do que o ritual (v.9-13).


3.Os fariseus jejuavam todas as segundas e quintas-feiras. Os discípulos de João continuavam com esta prática. O Senhor Jesus mostra que o jejum é feito quando se está triste. Por enquanto, o noivo está na terra e os amigos do noivo se alegram nesta festa, mas quando for tirado de modo violento, então, o jejum será uma forma sensata de lamentação. As velhas doutrinas dos fariseus não podem ser misturadas com a doutrina de Cristo. O pano novo costurado em pano velho não ficará, pois o tecido velho não suportará e se rasgará. A bolsa de couro novo, chamada odre, transporta vinho e o couro se expande. Quando o vinho novo é colocado no odre, este se expande proporcionalmente à fermentação do vinho, porém, se o vinho colocado já é fermentado, o odre se rasgará, pois a fermentação é demais para o couro novo (Josué 9.4). Assim como não se misturam elementos novos com velhos, da mesma forma a doutrina de Cristo não combina com a velha doutrina dos fariseus (v.14-17).

4.A obra do Senhor Jesus incluía as muitas curas. Ninguém ficava doente ou morria na presença de Jesus, nem mesmo os ladrões na cruz morreram antes Dele. Uma mulher foi curada apenas tocando suas vestes, a filha de Jairo foi ressuscitada, os cegos creram em Jesus e foram curados e o mudo endemoninhado também foi libertado dos demônios e curado. As obras de Jesus jamais deveriam ser desafiadas, porém, alguns O acusaram de receber poder de Satanás. Depois de tantas curas e assistências, o Senhor Jesus pede que os discípulos orem por mais trabalhadores. Será que Ele queria curandeiros, pois havia muitos doentes? Não, Jesus quer pessoas que se compadeçam com a situação espiritual dos aflitos que não têm pastor (v.18-38).

Nenhum comentário:

Postar um comentário