Atos 16


Capítulo 16: Ainda a segunda viagem missionária
1.Timóteo possivelmente foi um dos convertidos de Paulo durante a 1ª viagem. Será que Paulo errou em circuncidar Timóteo só porque visitariam judeus? Nesta viagem Paulo publicava de lugar em lugar sobre a decisão do concílio de Jerusalém de que os crentes gentios não precisavam ser circuncidados (Gálatas 5.2). Em vez de ir de navio, Paulo foi por terra até a Galácia. Paulo circuncidou Timóteo por expediente e não por princípio religioso. Fez isso para não ofender os judeus nas sinagogas que não eram crentes, pois Timóteo era considerado judeu. Já Tito, era totalmente gentio (Gálatas 2.3-5, 1 Coríntios 9.21) (v.1-5).

2.Havia lugares na Ásia onde Paulo queria ir, mas não era a vontade do Senhor para o momento. Em Trôade, Lucas se ajunta a Paulo, Silas e Timóteo, veja o pronome "nós" (v.10). Alexandria Trôade era colônia romana, é a antiga Tróia. Filipos fica na Macedônia e também era colônia romana. Macedônia foi dividida em quatro áreas administrativas e Filipos ficou sendo "a primeira do distrito". Certamente Lucas, viajando com Paulo, foi de grande ajuda quanto aos ferimentos obtidos nas prisões. Sabemos que Paulo fundou a igreja na Galácia do sul, porém, no norte não sabemos como surgiram (v.6-12).


3.Mulheres piedosas oravam à beira do rio. Para haver sinagoga num lugar era preciso o mínimo de 10 homens judeus ou prosélitos, e em Filipos não havia. Lídia era vendedora de púrpura que era ou corante para tingir tecidos ou o próprio tecido tingido. Ela era de Tiatira, na Lídia. Era prosélita do judaísmo. Toda a casa dela foi batizada porque todos creram, evidentemente. No v.16, o espírito de adivinhação é Piton, uma serpente representando o deus Apolo; a jovem era escrava de pessoas que ganhavam dinheiro através das adivinhações dela. Os demônios usam linguagem cristã, porém, Deus não aceita. Os que lucravam com a jovem ficaram irritados e levaram os missionários às autoridades. Paulo e Silas são presos após espancamento. O carcereiro antes os tratava como vagabundos, agora como "senhores". O carcereiro sabia porque tinham chegado até ali e, certamente, já tinha ouvido sobre a salvação, por isso, queria sabia o que devia fazer para ser salvo, conforme eles pregavam. Fica implícito (v.30) que todos devem crer individualmente para serem salvos, o que, de fato, aconteceu na família do carcereiro (v.32). Um carcereiro podia levar um preso a qualquer lugar que quisesse, contanto que trouxesse de volta, caso o preso fugisse o soldado pagava com o mesmo castigo, por isso, ele quis se matar. No v.22 os pretores, que eram os magistrados de justiça, arrancaram as roupas dos missionários (v.13-34).

4.Só há uma explicação para os pretores mandarem libertar os prisioneiros: souberam do ocorrido. Foram açoitados publicamente e exigiram que os próprios magistrados viessem comunicar a libertação. Paulo não teve oportunidade de falar isto no dia anterior, quando foi preso. Lucas ficou em Filipos (20.6). Timóteo seguiu viagem com Paulo (17.4). Não podiam expulsar cidadãos romanos, mas solicitar que deixassem o local. Os lictores eram os carrascos que castigavam os prisioneiros com varas, também chamados de oficiais de justiça. Paulo não estava se vingando, mas beneficiando os crentes em Filipos, impondo respeito e segurança para o futuro. Cinco anos mais tarde Paulo escreve aos filipenses (v.35-40).

Nenhum comentário:

Postar um comentário