Atos 28


Capítulo 28: Os últimos acontecimentos relatados por Lucas no livro de Atos
1.O significado de Malta ou Melita foi verdadeiro para eles, que é "refúgio". O tufão empurrou o navio 776 Km desde a ilha de Clauda até Malta (27.16). Paulo passou três meses em Malta. O termo Bárbaro era para designar um povo que não era nem romano, nem grego e nem judeu. O equivalente hoje são os índios. Foram hospitaleiros, alguns falavam grego (v.2). Deus tem Seu plano nos "acidentes" (v.3). A concepção de justiça daqueles indígenas (v.4). As presas da cobra ficaram encravados na mão de Paulo (v.5). A cobra era venenosa, pois os habitantes conheciam, com certeza (v.6). O conceito daqueles nativos mudou para o outro extremo. Públio é um nome romano, foi também, muito receptivo (v.7). A cura, bem como o milagre serviram para autenticar o testemunho (v.7,9). O que perderam, antes, ganharam nessa ilha. Desde a chegada, até a partida, foram bem recebidos por aqueles nativos simpáticos e hospitaleiros (v.1-10).


2.O navio Alexandrino carregava cereais do Egito (v.11). O emblema Dióscuros trata-se dos filhos gemêos de Zeus, Castor e Pólux. Paulo ficou sete dias em Potéoli com a permissão do centurião Júlio. Certamente algemado com um guarda, podia visitar amigos (v.14). A praça de Ápio fica a 43 Km de Roma. Três Vendas é uma vila na Via Ápia (v.15).O privilégio de Paulo foi por causa do bom relatório de Festo e de Júlio (v.16). Os soldados se revesavam para guardar Paulo (Filipenses 1.13). Paulo não podia ir à sinagoga, pois estava preso (v.17). A Esperança de Israel é o Libertador Prometido, o Messias (Paulo o apresenta como Jesus Cristo). Os judeus de Roma não eram tão ferozes contra Paulo como os de Jerusalém (v.22). Paulo marcou conferências com os principais dos judeus, não só para se defender, mas para evangelizá-los (v.23). Alguns creram, mas não todos (v.24), quanto aos que não creram, Paulo citou Isaías 6.9-10. Por causa da rejeição dos judeus, Paulo prega aos gentios (v.28). Paulo morou dois anos numa casa que alugou (v.30). Morava com os guardas (prisão domiciliar). Talvez fosse permitido trabalhar em sua função, assim podia pagar o aluguel. Os da própria família de Nero se converteram (Fp 4.22). O que Paulo sempre desejou era pregar sem impedimento e aqui, preso, consegue isso (v.31). Roma, propriamente, não era contra o cristianismo até aqui, mas o judaísmo radical, sim. Paulo morreu em 67 ou 68 a.D. (v.11-31).

Pércio Coutinho Pereira, 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário