Atos 3


Capítulo 3: A cura de um paralítico na porta do Templo. O segundo discurso de Pedro.
1.A Bíblia não fala o que fizeram com a cortina rasgada, o certo é que continuavam a se reunir no Templo, pois não creram em Jesus. Os que creram também se reuniam no Templo, mas também reuniam-se separadamente. A hora nona corresponde às quinze horas, era o horário de oração e sacrifícios vespertinos. A Porta Formosa, também conhecida como Nicanor, era feita de bronze coríntio de muito valor e, por isso, também chamada de Porta Coríntia. O nome Nicanor se deu por causa de um inimigo com esse nome, o qual foi morto e teve sua mão pendurada nessa porta (v.1-2).

2.O coxo já era muito conhecido, pois tinha mais de 40 anos de idade (4.22). Além do milagre da cura houve o milagre de andar, pois o homem era coxo de nascença, nunca aprendeu a andar (Is 35.6) (v.3-8).

3.Muitos judeus estavam no Templo naquele dia e reconheceram aquele homem. Os gritos do homem chamavam a atenção. Ninguém ficou em dúvida que aquele era o mendigo de tantos anos ali. Embora ficassem "admirados e assombrados" não significa que creram em Jesus. Era a 1ª vez que ele entrava no Templo, pois era proibida a entrada de aleijados (v.9-10).


4.O Pórtico de Salomão era uma larga calçada de 15 mt de largura com duas fileiras de colunas de 11 mt de altura, também chamada de "colunata". Jesus esteve lá outras vezes diante dos judeus. A mensagem dos apóstolos era cheia de tensão, pois estavam diante de pessoas que não queriam ouvir a verdade de seus pecados. Pedro, novamente, revela a culpa dos judeus, sendo que o próprio Pilatos, um pagão, quis soltar Jesus. Pedro desviou a atenção de si mesmo, pois foi Deus Quem curou o coxo (v.11-12).

5.Preferiram a liberdade de um criminoso a de um justo, o Justo. Mataram o Autor da Vida, mas Este ressuscitou, senão não seria o Autor da Vida. Este tipo de mensagem não é bem-vinda pelos incrédulos, por isso, o relacionamento dos pregadores verdadeiros nem sempre é bom e simpático. A Igreja não é chamada para anunciar uma mensagem simpática, mas para anunciar as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a luz. Esta mensagem é tensa, pois bate em corações áridos que precisam ser arados para receber a mensagem (v.13-15).

6.Pedro, ao falar que Jesus ressuscitou, atribuiu a cura ao próprio Jesus. O Nome de Jesus não tem poder mágico, mas a fé na Pessoa de Jesus possibilita a ação Dele. Toda a cura só é possível porque Jesus está vivo. Nenhuma igreja ou crente tem poder algum fora de Jesus. A mensagem é tensa porque é dirigida a todos os presentes em forma de desafio. O homem é trazido diante de todos e se torna um testemunho do poder de Jesus (v.16).

7.A mensagem era cheia de tensão também porque apresentava Jesus como o único caminho para a salvação. Embora a morte de Cristo estivesse nos planos de Deus, os líderes judaicos deviam recebê-Lo como o Messias. Os judeus não sabiam, de fato, que Ele era o Messias. Bastava os líderes judaicos se retratarem, considerando-O como o Messias, para virem "tempos de refrigérios". Se os judeus aceitassem o Messias a restauração seria apressada. Se reconsiderassem Jesus como o Cristo, então, o pecado da crucificação seria perdoado. Se a nação toda se convertesse, o Messias restauraria o reino, porém, isso não aconteceu, e o Deus Soberano e Presciente já sabia disso e agiu com base nos Seus planos eternos (v.17-21).

8.Deuteronômio 18.15,19. As profecias referiam-se aos descendentes judaicos. Portanto, até o momento, Atos não tratam dos gentios. O castigo para quem não aceitasse o Messias era a expulsão do povo de Deus e é exatamente isso que está acontecendo, só que com a chance de arrependimento na época da Igreja e ainda, na Tribulação, embora com muito sofrimento. A nação de Israel pode, hoje, se arrepender. Na Tribulação todo o Israel será salvo na última hora. É uma mensagem tensa porque mostra claramente que não há nenhum sistema de crença que salve, mas só a fé em Jesus Cristo como o salvador único e suficiente através de mudança de mente (v.22-26).

Nenhum comentário:

Postar um comentário