Isaías 53


Capítulo 53: O castigo do Cordeiro que trouxe a paz

1.O castigo do Cordeiro desfigurou-lhe a aparência (v.1-3)
2.O castigo do Cordeiro trouxe paz ao pecador (v.4-9)
3.O castigo do Cordeiro agradou ao Pai (v.10-12)

1.“Seja bendito o Cordeiro” são as palavras que cantamos com todo o entusiasmo, mas esse Cordeiro foi castigado pelo Pai para tivéssemos essa paz e louvor no coração. As pessoas não creem no Cristo apresentado nessa passagem. Assim como os judeus, as pessoas de nossa época querem um Cristo vitorioso e não sofredor. Elas querem o braço forte do Senhor e não uma raiz de uma terra seca. As pessoas não viram a beleza Dele, pois estavam procurando outro tipo de aparência. Tudo fazia parte do castigo que o Cordeiro enfrentaria na cruz. Por que ele não nos agradava? Porque apontava os nossos pecados, oferecia a cruz em vez dos prazeres mundanos, dividia os lares, oferecia pedra em lugar de travesseiro, dizia que somos adúlteros, filhos do diabo, que devermos deixar pai e mãe e tudo o mais que não gostamos de ouvir. Porém, se víssemos a verdadeira aparência e beleza Dele ouviríamos Ele dizer também: “eu vos aliviarei”, “tenha a vida eterna”, “eis que estou convosco”, “não se turbe”, “eu vos amei” e tudo aquilo que gostamos de ouvir  (v.1-2).


2.O castigo do Cordeiro o fez ser desprezado e rejeitado. Como um cordeiro, Ele padeceu por nós. As pessoas se escondem Dele porque não querem encarar os seus pecados e aceitar o Seu castigo por nós. O pecador não faz caso de Jesus porque não quer parar e pensar em sua condição espiritual (v.3).

3.As enfermidades que Jesus tomou são aquelas que fazem separação entre nós doentes e o Deus santo. Qual enfermidade pode ser pior que a lepra do pecado que nos tornou imundos diante desse Cordeiro puro? A cura dos nossos pecados é eterna. Aqueles que insistem em ensinar que esse texto diz que Jesus nos curou de todas as enfermidades físicas, obrigatoriamente terão que afirmar que nunca nenhuma doença nos afligirá até o fim de nossas vidas aqui na terra. Aliás, por que teríamos fim nesta terra se as doenças desapareceram do crente? Acidente, velhice ou trasladação? Uma leitura sensata deveria afirmar que as dores e enfermidades carregadas por Jesus na cruz são nossas iniquidades e transgressões mencionadas no próximo versículo. O Cordeiro estava sendo afligido, ferido, oprimido, enfim, castigo por Deus. Essa foi a maneira de Deus de conciliar o Seu amor nos resgatando, pecadores como somos, e, ainda assim, exercendo a Sua justiça contra os nossos pecados. Isso é o que os teólogos chamam de “expiação vicária” ou “morte substitutiva” (v.4).

4.O castigo cruel contra o Cordeiro inocente é a razão da nossa paz. Alguém teve que ser castigado e morto em nosso lugar. Isso faz de mim um felizardo, mas também um miserável. Eu não mereci, não tenho como pagar e nem porque me gloriar. É uma situação constrangedora, pois, ao mesmo tempo que me sinto assim, o meu cordeiro quer que eu me veja como um herdeiro com todos os direitos, um justificado e filho amado do mesmo Pai. Foi do pecado que fomos curados, e não da dor nas costas, da gastrite, dos caroços, da rinite e da fibromialgia (v.5).

5.De um lado, vemos esse Cordeiro obediente e castigado, e do outro lado, vemos ovelhas desobedientes e vivendo seu caminhos desviados e sem castigo. Um Cordeiro oprimido, humilhado e calado, enquanto as ovelhas rebeldes, opressoras, arrogantes e se desbocando em blasfêmias contra Deus. Portanto, ele é quem não devia ver em nós nenhuma aparência nem formosura e nada que O agradasse (v.6-7).

6.Os homens o trataram como um merecer do juízo. Nem cogitaram que Ele era de uma linhagem real, o filho de Davi, da tribo de Judá. Ele era chamado, equivocadamente, nazareno, mas de fato, era um belemita. Mas quem queria saber disso? Nicodemos tentou defendê-lo, mas foi fortemente criticado (veja João 7.50-52). Ele foi morto por um povo que nem quis saber qual era a verdade a respeito Dele. Não fosse o rico, mas piedoso José de Arimateia, esse Cordeiro castigado teria sido jogado no lixão da cidade, o vale de Geena, por isso, se diz que “com o rico esteve na sua morte”. O que esse Cordeiro fez para merecer tal morte? Proclamou a justiça e disse a verdade! (v.8-9).

7.O mais impressionante de tudo isso é ver que o Pai se agradou do castigo do Cordeiro puro. Enquanto alguns dizem que o filho de Deus não fica doente, lemos que o Senhor, o Pai, foi quem fez o Seu Filho Amado enfermar. Sabemos, através do Evangelho, que o Pai virou as costas para o Seu Filho, Jesus, na cruz. Sim, Deus é santo e não olha para o pecado. Jesus era uma massa de pecado horrenda naquela cruz. Os pecados eram os meus pecados e não Dele. No entanto, o Pai olhou para mim e não olhou para o Seu Filho legítimo! Que amor é esse? Expliquem-me! Os dias do Cordeiro estão sendo prolongados na Sua posteridade. Isto significa Sua ressurreição também, pois o versículo diz que Ele verá a Sua posteridade. Ele não ficou morto. Nós somos a Sua descendência, nascemos Dele, nascemos dessa cruz. Nós somos a prosperidade do Cordeiro que foi morto (v.10).

8.O Pai ficou satisfeito e o Filho também. É o único Cordeiro castigado que foi satisfeito. O trabalho foi penoso, mas deu fruto, pois conseguiu justificar a todos os que creram e isso é o que conta para Ele, a salvação dos pecadores. Isso deveria nos incomodar em dois sentidos pelo menos. Primeiro, Ele não precisa fazer mais nada por mim, pois já fez tudo. Segundo, eu preciso me preocupar com aqueles que ainda não ouviram essa mensagem. Devo orar, contribuir ou ir aos lugares onde essa mensagem não foi claramente ensinada, os chamados campos missionários. Ele não morrerá mais por esses povos, pois Ele já fez isso. A Igreja é que precisa anunciar a obra completa. Jesus morreu por eles também. Meu vizinho já ouviu, outros precisam ouvir (v.11).

9.Muitos serão desse Cordeiro castigado. Onde esse evangelho for pregado, pecadores se arrependerão, ou seja, mudarão sua mente sobre esse Cordeiro. Quem creu na nossa pregação?, pergunta o profeta. Todos nós que cremos podemos responder: “Eu cri”. Nós somos o despojo Dele. Ele saiu vencedor daquela cruz e daquela tumba. Ele intercede por nós para sempre. Somos totalmente seguros Nele (v.12).

8 comentários:

  1. Glória a Deus, pela esperança e segurança que Ele nos oferece por meio da cruz.

    ResponderExcluir
  2. Vamos continuar a pregar a mensagem da cruz.

    ResponderExcluir
  3. Que mensagem edificante Percio!
    Em Cristo temos total segurança e conforto.

    ResponderExcluir
  4. Sim, preguei hoje na Igreja. Sempre me emociono com o amor de Jesus por nós. Deus a abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Que mensagem maravilhosa!O Cordeiro nos trouxe a paz através da cruz. A ele toda honra e toda glória.

    ResponderExcluir
  6. Olá Robson. Louvo a Deus por você e sua querida proclamarem essa mensagem aí no Acre. Deus os abençoe.

    ResponderExcluir
  7. Tivemos o privilégio de estudar Is 53 com o Pércio no estudo de quarta-feira! Uma benção! Obrigado Pastor!

    ResponderExcluir
  8. É muito bom estudar a Palavra de Deus com os irmãos toda semana.

    ResponderExcluir