Romanos 11

Capítulo 11: O arrependimento, a conversão e a restauração de Israel
1.Deus não abandonou totalmente Israel, embora esta nação tenha-se apostatado. A prova que Deus não rejeitou Israel é o fato de Paulo não ter sido rejeitado, sendo que ele é um israelita. Deus sempre conservou o remanescente fiel. Mas onde está Paulo? Na Igreja. Desta forma, na dispensação atual, quando Deus não está trabalhando com Israel como nação, os judeus fiéis, portanto, estão na igreja e, portanto, estão descaracterizados como judeus (v.1).

2.1 Rs 19.10,14,18. Paulo usou como exemplo o episódio em que Elias sentia-se sozinho, mas que na verdade Deus tinha outros fiéis como Elias. Da mesma forma, Deus não Se esqueceu do povo de Israel, enquanto escolheu os gentios, mas um remanescente é beneficiado não pela Eleição da nação de Israel, mas pela Eleição da graça, entrando para a Igreja como um pecador comum. Mas esta entrada para a Igreja não é por rituais e observâncias, mas pela graça. Para o judeu já era difícil passar pelas águas de João Batista, pois com isso estaria confessando ser um pecador. O judeu batizava o prosélito, mas jamais um judeu de raça entraria num batismo como um pecador. Se um judeu, hoje, quer ser salvo tem de entrar pela mesma porta que todos: a porta do arrependimento das próprias obras de auto-justiça (v.2-6).

3.Israel busca a lei de justiça (ver 9.31). Com a apostasia de Israel, os gentios foram salvos, bem como o remanescente fiel de Israel. Dt 29.4, Is 29.10, Is 6.9-10. Esses versículos mostram uma ação divina após o povo de Israel rejeitar o Senhor. Deus enviou esse endurecimento, mas não porque não queria a salvação do povo de Israel, pois Ele estava tentando salvar o povo todo o tempo, mas justamente porque o povo de Israel não queria a salvação, Deus deu esse endurecimento como forma de julgamento (v.7-8).

4.Sl 69.22-23. Davi rogou a Deus contra os seus perseguidores. A "mesa" refere-se à abundância de bens, a prosperidade. Assim Davi pediu que Deus frustrasse a prosperidade de seus perseguidores. Israel, por causa da apostasia, caiu na própria armadilha (v.9-10).

5.Mas a apostasia de Israel resultou em bênção para os gentios que tiveram a oportunidade de salvação. Quando Paulo nega que Israel caiu, temos que entender que no sentido total não aconteceu, pois a queda de Israel é temporária. Com a salvação do gentios, os judeus ficaram emulados, isto é, sentiram-se compelidos a competir com os gentios por causa da rivalidade. Por causa disto que surgiram perseguições contra os crentes na época das viagens de Paulo por todo o mundo onde havia judeus (v.11).

6.Israel está no momento deixado de lado pelo próprio Deus. Isto está resultando em riqueza para o mundo todo, pois todos podem conhecer o Evangelho e se converter. Mas Israel voltará a ser a "menina dos olhos de Deus" e quando Israel se converter (quando chegar a sua "plenitude"), o mundo todo será mais abençoado ainda (v.12).

7.Paulo volta a sua atenção, agora, aos gentios crentes, pois em meio às questões da apostasia de Israel e a entrada dos gentios na bênção de Deus, alguém dentre os crentes gentios pudesse pensar além do que convinha. Paulo glorifica o seu ministério porque foi dirigido especificamente para anunciar o Evangelho aos gentios (v.13).

8.Seria bom se os judeus fossem movidos por rivalidade quanto aos gentios, ao ponto de se interessarem pela mensagem, e assim serem salvos. Paulo sabia que não muitos judeus seriam atraídos ao Evangelho (v.14-15).

9.Nm 15.19-20. Se os patriarcas, que são a primeira farinha, são consagrados ao Senhor, a nação toda, que é o bolo todo, também é separada para o Senhor. Se Abraão e os patriarcas, que são a raiz são separados ao Senhor, todos os israelitas, que são os ramos, também são separados ao Senhor. Portanto, a nação de Israel tem herança espiritual (v.16).

10.A nação de Israel é simbolizada por uma oliveira (Jr 11.16). Alguns ramos foram quebrados, isto significa que alguns israelitas se afastaram do Senhor. Alguns ramos de oliveira brava foram enxertados na oliveira cultivada, isto significa que alguns gentios foram colocados na vida do Senhor. O que foi feito foi algo que foge do natural, pois jamais um enxerto deste tipo produziria algum fruto. O contrário sim. Mas o que Deus fez fugiu mesmo do natural e o formidável é que o gentio começou a crer na mensagem, produzindo fruto que o judeu não produzia (v.17).

11.Este enxerto foi um milagre, mas de modo algum a glória é do enxerto, pois este depende da raiz. O gentio recebeu o Messias, mas nunca deve se esquecer que "a Salvação vem dos judeus", e que está recebendo o benefício da raiz judaica (v.18).

12.A quebra de alguns ramos deu lugar para os ramos de oliveira brava. Os judeus se apostataram e deram lugar aos gentios que creram. Isto é verdade, mas é preciso andar nessa verdade com humildade e temor, pois Deus rejeitou os ramos naturais (os judeus) e pode pesar a mão contra o gentio crente que for arrogante em sua fé.  Não cabe aqui defender a Perda da Salvação, embora para muitos este versículo seja bem forte (v.19-21).

13.Deus foi severo para com Israel e foi bom para com o gentio que se converteu. O gentio crente deve ser humilde, reconhecendo que depende de Deus para manter-se vivo na vida cristã (Hb 10:26ss) (v.22).

14.Novamente a referência aos judeus. Serão enxertados novamente à Oliveira. Portanto, a apostasia de Israel não é para sempre e para isto, evidentemente, a nação se converterá ao Senhor, crendo em Jesus Cristo, como o Messias de Deus (v.23).

15.A bênção é que Deus fez de ramos de oliveira brava como os gentios, produzirem fruto de arrependimento na Oliveira cultivada. Agora, Ele pode trazer os ramos legítimos dessa oliveira, e fazê-los viverem juntos numa mesma fé (v.24).

16.Até agora todos já deveriam ter entendido exatamente isto: que Israel apostatando do Senhor, deu entrada à conversão dos gentios. Este é um mistério, outrora encoberto, mas agora revelado. Nenhum profeta do VT poderia ver isto. Via, sim, gentios sendo salvos, mas nunca sendo colocados no lugar dos judeus. Os gentios ouvirão a mensagem e completarão o número da Igreja (plenitude dos gentios), para depois a nação de Israel ser salva (v.25).

17.Is 59.20-21. Depois da conversão dos gentios na Igreja, virá o tempo para que Israel seja restaurado, sucedendo isto depois das "angústias de Jacó", que são os 7 anos de Tribulação (v.26-27).

18.Os judeus são inimigos de Paulo e dos demais crentes por causa do Evangelho, pois na mente dos judeus, os crentes estão usurpando o lugar, promessas e bênçãos que pertencem somente aos judeus. Por outro lado, os crentes não devem ter a mesma inimizade, mas amar os judeus, pois eles são amados por causa dos patriarcas e a eleição é deles. Eleição aqui refere-se à Eleição da nação de Israel (v.28).

19.Israel como nação será restaurada, como já vimos durante estes três últimos capítulos. Deus não deixou as promessas que são para Israel. Os dons de Deus, são Suas dádivas dispensadas à nação de Israel. A vocação refere-se à Eleição da nação de Israel. Portanto, os dons e a vocação de Deus referentes a Israel são irrevogáveis, isto é, não voltam atrás, foram dados como promessas para serem cumpridas na nação de Israel e não em outro povo, ainda que seja a Igreja (v.29).

20.Se os gentios são obedientes agora, isto se deu por causa da desobediência dos judeus, mas um dia os judeus alcançarão a misericórdia novamente e serão obedientes. Assim, tanto os judeus quanto os gentios tiveram sua história de desobediência, e Deus usou de igual misericórdia para com toda a humanidade, quer seja judeu, quer seja gentio. Todos sendo encerrados na desobediência permitiu a Deus usar de misericórdia para com todos, visto que ninguém pode-se gloriar de nada (v.30-32).

Conclusão do capítulo 11
Depois de todas as exaustivas considerações a respeito da nação de Israel e do proveito que os gentios tiveram pela apostasia dessa nação, juntamente com a promessa da restauração de Israel, Paulo exalta grandemente o Senhor por causa desses profundos ensinos, dos quais somente um homem foi usado por Deus para sintetizá-los numa epístola, este homem foi Paulo. Neste hino de exaltação, Paulo se utiliza de algumas referências do VT (Is 45.15, 55.8, Is 40.13, Jó 15.8, Jr 23.18, Jó 41.11). O v.35 mostra que Deus não tem dívida nenhuma para com ninguém, pois não houve homem algum que tenha dado alguma sabedoria a Deus, para que por fim Ele viesse a devolver em recompensa. Mas todas as coisas vem de Deus, são realizadas por Deus e voltam para o próprio Deus, assim, só nos resta dar toda a glória para Ele para sempre. Amém! (v.33-36).


Nenhum comentário:

Postar um comentário