Isaías 57

Capítulo 57: Idolatria nacional e arrependimento

1.Idolatria nacional (v.1-13)
2.Arrependimento e salvação dos contritos (v.14-21)

1.A idolatria é um pecado que causa dependência e é insaciável, pois não há fidelidade do idólatra, visto que ele está sempre se movendo em sua adoração e promessas para tantos ídolos quantos enganosamente pensa serem de socorro nas horas de angústias. Feliz é o justo que perece sem ver sua vida envolvida na idolatria. Na tribulação, o justo será arrebatado antes que venha o mal. As pessoas não sentem falta do justo. É até um alívio para os pecadores não terem o justo para incriminá-los em suas consciências (v.1-2).

2.O pecador se rebaixa ao nível mais grosseiro de idolatria. Deus vê todo o tipo de feitiçaria, idolatria, cultos e rituais espíritas e outras formas religiosas, que não sejam a adoração ao Deus único e verdadeiro, como prostituição espiritual. Toda a curiosidade pelo futuro e a busca por respostas em agoureiros são um engano. Os idólatras fazem chascos, ou seja, gracejos. Eles zombam mostrando a língua. A luxúria não é apenas espiritual, mas carnal, pois as seitas sempre estão envolvidas em escândalos sexuais. Os cultos
pagãos incluem a prática da prostituição, chamada prostituição cultual. As orgias eram praticadas atrás de arbustos (terebintos) ou grandes árvores. O sacrifício humano também é prática monstruosa, mas comum nos dias dos reis de Israel. As culturas em todo o mundo promovem rituais com bebidas e alimentos para os deuses. Todo o tipo de oferendas em dinheiros, alimentos, bebidas, objetos, animais e até seres humanos são aceitas pelos falsos deuses, de fato, o diabo e os demônios (v.3-7).

3.O símbolos eróticos estão espalhados por todas as culturas. Os obeliscos, por exemplo, são representações sexuais masculinas de adoração. As chamadas figas vêm da expressão “mano-figa” que no italiano é mão e órgão genital feminino. Ficaríamos espantados com a quantidade de objetos que funcionam como símbolos eróticos idealizados e confeccionados por mentes impuras. Muito dinheiro está envolvido na idolatria. As buscas, mesmo que inúteis e cansativas, continuam em peregrinações, viagens perigosas para saúde, feriados e extensas programações e festividades para iludir os adeptos. Os governos de alguns países se aproveitam e mantêm feriados e festas para anestesiar o povo dos problemas reais. Toda a idolatria é uma forma de ignorar e anular o Deus verdadeiro a quem as pessoas sabem que deverão prestar contas. Deus está calado, deixando o mundo em sua idolatria, por isso, a sensação de que os ídolos são inofensivos e que até fazem bem. No dia do juízo, os ídolos não aproveitarão para nada (v.8-13).

4.Há um caminho diferente da idolatria, mas este é através de contrição, arrependimento que é a mudança de mente e a aceitação da salvação de Deus da maneira Dele. Primeiro de tudo é necessário o reconhecimento da santidade de Deus. Ele é o criador soberano, mas ao mesmo tempo é Aquele que está perto dos contritos para dar salvação. Se Deus não desse oportunidade ao homem para conhecê-Lo este não teria chance de ser salvo. A revelação de Deus inclui a natureza, a consciência, a Bíblia e a revelação máxima que é a Pessoa de Jesus Cristo. No entanto, o pecador rejeita o mínimo da revelação de Deus, transformando a criatura em deus e fazendo, em sua mente insensata, que o Deus verdadeiro seja uma criatura qualquer (v.14-16).

5.Sendo que o homem se tornou rebelde, Deus o deixou andar em suas próprias escolhas ruins. Isto combina perfeitamente com Romanos 1.18-32. A salvação do homem está em reconhecer o seu pecado e aceitar a salvação em Cristo Jesus, revelado na Palavra de Deus. A salvação está ao alcance de todos os povos, por isso, os pregadores precisam buscar os perdidos onde estes estiverem. Os decididamente rebeldes continuarão a lançar de si suas perversidades e nunca encontrarão a paz que só pode ser obtida na Pessoa de Jesus Cristo, o Salvador (v.17-21).

Nenhum comentário:

Postar um comentário