1 Coríntios 11


Capítulo 11: A submissão da mulher simbolizada pelo uso do véu . A Ceia do Senhor
A.A submissão da mulher simbolizada pelo uso do véu (v.1-16)
1.Será mesmo? Em algum aspecto sim, e é exatamente naquilo que Paulo pôde enxergar alguma virtude nos coríntios que ele começa este novo assunto. Começa com elogio, mas não se anime, fazia parte da estratégia dele, antes de falar com autoridade apostólica (veja 4.16). Os coríntios estavam imitando Paulo quanto às tradições ("paradoseis"), ou seja, imitavam Paulo quanto as verdades cristãs bem conhecidas. A seguir Paulo ensina sobre 1)o uso do véu 2)sobre a "festa do amor" (agapao) e 3)sobre a Ceia do Senhor, que estava ligada à festa "agapao" (v.1-2).

2.Cabeça ("kephale") significa "autoridade". O princípio da Criação é (v.3):

   DEUS
           CRISTO
                      HOMEM
                                 MULHER
                       

3.Os homens judeus oravam de cabeça coberta. Cobrir a cabeça para o judeu significa "estar sob a autoridade de outrem". Como o homem não está sujeito a ninguém na terra, desonra a sua própria cabeça (autoridade) cobrindo-a. Isto na nova ordem, que é a Igreja, pois entre os judeus o homem cobria a cabeça em sinal de submissão a Deus, porém, as mulheres não adoravam no mesmo lugar. A mulher com a cabeça descoberta é tão vergonhoso quanto ter a cabeça rapada (v.4-6).

4.Algumas sacerdotisas cultuais em Corinto rapavam a cabeça e andavam sem véu. Em Corinto reconhecia-se fácil uma prostituta, pois todas as mulheres andavam nas ruas de véu, não só em Corinto, mas em toda a Ásia e Palestina (v.4-6).

5.Quando Paulo fala "orar e profetizar" com respeito à mulher, não podemos afirmar que esteja se referindo à prática fora das reuniões da igreja, apenas, embora já saibamos qual era o pensamento de Paulo com respeito à participação da mulher nas reuniões de grupo misto em relação ao ensino (v.4-6)

É duvidosa a ideia de que a mulher não podia orar e profetizar na reunião pública. Por exemplo, as filhas de Filipe eram profetizas (At 21.8-9).

6.O motivo de cobrir a cabeça é o princípio de autoridade (v.3-4). O homem reflete a glória de Deus, assim como a mulher reflete a glória do homem. O fato da mulher ter sido feita do homem, prova que ela é a glória do homem. Como fato só aconteceu com Adão e Eva, mas como princípio acontece em todo o casamento. Em nossa sociedade, quando a mulher se casa e aceita o nome do homem está confirmando este ensino (v.7-9).

7.A mulher ganha respeito usando o véu. Paulo menciona que "anjos estão observando", porém, não tem nenhum sentido mais especial, senão o que já sabemos, que os anjos observam os crentes em todos os momentos. Só na eternidade saberemos o quanto os anjos aprenderam com a vida dos santos (Ef 3.9-10, 1 Pe 1.12, Jó 1.6-8, Mt 18.10) (v.10).

8.Paulo ensina a dependência um do outro (homem e mulher). O homem não deve se orgulhar de sua posição, nem a mulher sentir-se inferior (v.11-12).



"A mulher provém do homem"  -  Somente Eva
"O homem nascido de mulher" -  Todos menos Adão

Depois de Adão o homem existe porque provém da mulher.

9.Os coríntios podiam ver por si mesmos. As sacerdotisas pagãs não usavam véu. As mulheres crentes que não usassem véu seriam comparadas com as sacerdotisas pagãs. Embora nem todas as sacerdotisas pagãs rapavam a cabeça, todas dispensavam o uso do véu. Orar em público dá a ideia de orar na igreja (v.13).

10.O homem de cabelo comprido é vergonhoso. Os espartanos e os filósofos usavam cabelo comprido, mas em geral, os homens tinham os cabelos curtos (v.14).

11.Paulo não dá o comprimento, mas deve ser maior do que o cabelo dos homens. As prostitutas em Corinto eram conhecidas, também, pelos cabelos curtos. É claro que quando Paulo diz que o cabelo da mulher está em lugar do véu não significa que ele está abolindo o véu, pois se assim fosse, era só dizer que a mulher deveria usar o cabelo comprido. O cabelo da mulher comprida da mulher é honroso assim como o véu (v.15).

12.Contencioso é o "amigo de brigas" (philoneikos). O que não é costume das igrejas de Deus? O que não é costume das igrejas de Deus? Não usar véu ou não ser contencioso? Nenhum, nenhum outro, ou seja, as crentes não deviam contender, mas usar véu. (v.16).

13.O significado do véu é muito importante. O fato das culturas ocidentais atualmente não usarem o véu não invalida o ensino bíblico. Em todas as igrejas usava-se véu, mas nem todas as cidades possuíam prostitutas cultuais. Portanto, Paulo não estava pedindo nada fora do próprio modo de viver das mulheres, mas o ensino é por causa de algum "movimento feminista" que porventura surgisse entre as crentes, ou talvez já estivesse acontecendo (v.16).

As mulheres crentes de hoje não usam véu na maioria das igrejas. Mas é bem possível que se o mundo lançasse moda do uso do véu, as irmãs apareceriam na igreja com véu sem nenhum tipo de questionamento. Talvez se grupos liberais ou neopentecostais bem aceitos até pelas igrejas tradicionais lançarem o uso do véu, este também voltará a ser aceito.

B.A Ceia do Senhor (v.17-34)
1.Paulo não tem como louvar os coríntios quanto à Ceia (compare com 11.2). Quanto às reuniões da Ceia, os coríntios pioraram (v.17).

2.Paulo está informado certamente pelos da casa de Cloe. Talvez houvesse algum exagero, como é comum quando se ouve de terceiros ("em parte eu creio"). Antes da Ceia havia uma festa (agapao), como um "junta-panelas". O problema era que uns levavam muita comida, outros pouca, por isso, comiam separados. Havia divisões, onde os ricos não repartiam suas comidas com os pobres. Talvez "senhores" não se misturavam com os "escravos" (v.18).

3.As divisões acabam por sendo importantes, pois só assim aparecem os aprovados ("dokimoi" = resistido à prova) (v.19).

4.Podiam estar fazendo outra coisa menos a Ceia do Senhor. Era uma imitação, pois estavam divididos, sendo que a Ceia é a união dos crentes por causa de Cristo. Cada qual trazia sua comida e vinho e comia e bebia separadamente, juntando-se somente à própria "turma". Alguns saiam com fome; outros saiam embriagados e "empanturrados". A festa do amor havia se tornado em festa do egoísmo (a festa do si mesmo). Paulo, usando de ironia, diz que o lugar de comer é em casa (v.20-22).

Aqui não se encaixa como interpretação o costume (bom) que temos de tomarmos a Ceia juntos, num só momento (v.21), mas mesmo assim, é um bom costume e cortesia esperarmos para que todos tomemos juntos.

5.Esta epístola foi escrita antes de qualquer um dos quatro Evangelhos. É o relato mais antigo que temos da instituição da Ceia. Só aqui, por exemplo, encontramos a ordem "até que Ele venha". Paulo recebeu do Senhor. "Na noite em que foi traído", no grego literal é "na noite em que estava sendo traído". "Em memória de mim" mostra a natureza Cristocêntrica da Ceia. "Dar graças" é a tradução da palavra "eucaristia" (v.23-24).

6.Sacramento é uma palavra que está focalizada bênçãos diretas do ato, por isso, não usamos este termo. A Ceia é uma bênção, mas não somos abençoados por causa dos elementos, e sim pelo significado subjetivo, ou seja, causa alegria interior quando entendemos o simbolismo.

7.Uma pergunta que interessa para a Escatologia é a seguinte: O que a Nova Aliança (v.25) tem a ver com Jr 31.31-33? Resposta: Estas duas novas alianças são baseadas no sangue de Cristo Jesus. A Nova Aliança mencionada em Jeremias refere-se aos judeus e será estabelecida pelo Messias no Milênio, ou seja, Israel se tornará uma nação cristã. A Nova Aliança mencionada em Coríntios é esta que já estamos vivendo como crentes, por isso, cremos no Novo Testamento (Nova Aliança) (v.25).                                                 

8."Anunciar" é a tradução de "katangelho" que significa proclamar. A Ceia não é um sacrifício e sim uma proclamação. Não estamos sacrificando Cristo novamente, mas recebendo em memória o acontecimento da Redenção (v.26).

9.Em certo sentido não somos dignos de Cristo, mas por outro lado, ao participar dos elementos da Ceia, confiando Nele, somos considerados dignos. Quem não observa este princípio, ou seja, da dependência Nele, é réu (culpado, indigno). Culpado do "corpo e do sangue do Senhor", ou seja, culpado de ridicularizar o significado da morte de Cristo em favor dos homens. Assim como quem zomba da bandeira, zomba também do país; da mesma forma quem zomba da Ceia, zomba do Senhor (v.27).

10.Não é uma reunião qualquer, mas é a memorização da nossa Redenção. Os coríntios deviam olhar para si e examinar ("dokimazeteo" = testar, provar). Assim veriam os resultados de seu egoísmo e falta de reverência na festa do Amor. Observe a diferença entre este exame e a "Introspecção", pois aqui Paulo apela para o que está em evidência nos atos exteriores e não está pedindo para penetrar o interior e procurando algo oculto, não existente. Os coríntios devem discernir ("diakrino" = distinguir, separar). Deviam distinguir, fazer distinção, separação da Ceia do Senhor das outras refeições comuns. Obs: Nestes versículos a palavra "Corpo" sempre se refere ao Corpo de Cristo propriamente dito e não ao Corpo de Cristo, a Igreja (v.28-29).

11.Como consequência de zombar do sacrifício de Cristo, os resultados foram males físicos. Dormir é a tradução da palavra "koimaio", que é um eufemismo para a palavra "morrer" (v.30).

12.Os coríntios podiam auto-julgar-se, discernindo o que são e o que deveriam ser. Quando o crente confessa seus pecados é disciplinado pelo Senhor com amor, porém, quando não confessa, é considerado como um do mundo (embora não seja de fato). O resultado de não auto-julgar-se pode ser o sofrimento de males físicos e até mesmo a morte "prematura" (v.31-32).

13.Esperar todos chegarem, então, comer juntos. O banquete não era pecado, mas a maneira como estavam realizando contribuíra para que todo o sentido daquele banquete se perdesse. Hoje não existe mais este problema específico, pois não há mais esta festa (v.33-34).

5 comentários:

  1. Muito bom, interpretação fiel à palavra do Senhor nosso Deus. Que o Senhor muito te abençoe amado obreiro, pois muito me ajudou a compreender esse ensino de Paulo.

    ResponderExcluir
  2. muito bom sim ,mas em outros versiculos dizem ser abolidos costume de vel,2cor cp 3 v 14 esta referindo so aos homens ou mulheres tambem

    ResponderExcluir
  3. Olá Diogo, em 1 Co 11 refere-se ao véu da mulher submissa, em 2 Co 3 refere-se ao véu que Moisés usava no rosto ao sair da presença de Deus para que o povo não visse desvanecer a glória de Deus brilhando em sua face.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom.O comentário se manteve fiel ao texto bíblico e é de fácil entendimento.Foi de grande valia para aumentar meus conhecimentos sobre a Palavra do Senhor.Que o Senhor te abençoe e continue te inspirando.

    ResponderExcluir
  5. Minha mãe fuma a 51 anos e por isdo não toma ceia, eu digo a ela que qdo ela tomar ela será liberta deste vício mas ela diz está indigna de tomar. Não sei como ministrar na vida dela .pidem me ajudar? Ela não tem forças para largar o cigarro pois está na corrente sanguínea é como uma droga.

    ResponderExcluir