1 Coríntios 2


Capítulo 2: O caráter espiritual da mensagem de Paulo
1.Quando Paulo pregou em Corinto, não atraiu ninguém à sua própria pessoa, antes, expôs o Evangelho simples, como de fato é. O "testemunho de Deus" é o mistério encoberto para o homem natural, que deixa de ser mistério quando compreende e aceita (v.1).

2.Paulo se concentrou neste ponto: a crucificação (1 Co 1.23). Claro, ele tocou em outros temas, mas tudo baseado e convergindo para o tema principal: a expiação na Cruz (v.2).

3.A atitude de Paulo era de alguém quebrantado pela cruz. O medo de Paulo era pela experiência anterior em Atenas (At 17.32-34) (v.3).

4.A pregação era simples, não por medo de ser preso ou açoitado, pois senão, não seria "demonstração do Espírito e de poder" e, mesmo porque Paulo foi preso e açoitado com esta mensagem simples (v.4-5).


5.Paulo pregava sabedoria de Deus aos mais maduros ("experimentados"). Estes ouvem e aceitam. Neles é que a mensagem faz efeito. Os "príncipes deste mundo" ou "poderosos desta época", podiam ser os líderes romanos, os líderes judeus e os filósofos gregos (v.6).

6.O "mistério", muito falado em Ef 2 e 3, onde judeus e gentios, salvos, são unidos num só Corpo, a Igreja. Nunca o VT revelou isto. Deus "preordenou", isto é, o Evangelho não é uma ideia tardia, mas estava na mente de Deus, embora nunca tenha revelado até a plenitude dos tempos (Gl 4.4). A revelação deste plano de Deus é para a glória dos crentes ("para nossa glória"). Participamos deste plano com Cristo e em Cristo (v.7).

7.Esta sabedoria é ignorada pelo homem natural (Sinédrio, Pilatos, Caifás, os soldados, o povo judeu em geral que mandou crucificar Jesus, Lc 23.34) (v.8).

8.Is 64.4. É impossível perceber a Sabedoria com as capacidades naturais. O Espírito Santo atinge nossas faculdades (visão, audição e mente) iluminando-as para entendermos a sabedoria de Deus. O homem natural pensa que com suas faculdades pode buscar a sabedoria de Deus. O que Deus tem preparado para os crentes? Tudo aquilo que está envolvido na Salvação, coisas estas que as faculdades naturais não podem discernir (v.9).

9.Só é possível compreender Deus pelo Espírito Santo, aliás, o que se pode conhecer de Deus é somente através do Espírito Santo (v.10).

10."As coisas do homem", ou seja, o que se refere à personalidade de cada um, somente o "espírito" de cada um pode perceber (v.11).

11.A expressão "espírito do mundo" serve para identificar com a cosmovisão, ou seja, qual a concepção da civilização deste mundo, como o mundo pensa. O crente recebe o "Espírito de Deus" com o fim de conhecer as bênçãos provenientes de Deus. As bênçãos são as mesmas do v.9, são as "coisas que Ele tem preparado para os que O amam" (v.12).

12.Nem imaginamos o que Deus pode nos dar, por isso, o Espírito Santo atua como Aquele que traduz as bênçãos de Deus para serem entendidas por nós. Como entenderíamos a bênção do sofrimento sem a atuação do Espírito Santo dizendo que o sofrimento redundará em bênção (v.12).

13."Disto, também, falamos", isto é, sobre a verdadeira sabedoria de Deus e o Espírito Santo. As informações de Deus não eram de nenhuma escola de retórica, mas do próprio Espírito Santo ("ensinadas pelo Espírito"). Paulo exclui todo o tipo de sabedoria humana, quando diz "conferindo coisas espirituais com espirituais (v.13).

14.O crente, ou melhor, o Espírito Santo, recebe verdades e o Espírito Santo liga essas verdades com outras já aprendidas e, em consequência, vai aumentando a maturidade (2 Pe 1.5-8) (v.13).

15.O homem natural (psuchikos) não tem o Espírito Santo, por isso mesmo, não entende as verdades espirituais. As verdades espirituais subjetivas (experiência interior) não estão ao alcance do intelecto humano, embora as verdades espirituais objetivas possam ser entendidas com o intelecto humano (v.14).

Exemplo: Cristo morreu pelos pecadores para salvá-los de sua condição de escravos de Satanás. A verdade é espiritual e muitos entendem de forma objetiva (externa), mas de modo subjetivo, como experiência interior que produz mudança de mente, só o crente pode entender.

16.O homem espiritual (pneumatikos) tem o Espírito Santo, por isso mesmo, julga todas as coisas e não é julgado por ninguém, isto é, o homem espiritual entende o homem natural (julga todas as coisas), porém, o homem natural não compreende o homem espiritual (não é julgado por ninguém). Julgar aqui tem o sentido de "considerar e discernir" (v.15).

17.Is 40.13. Quem conhece a mente de Cristo para julgar o homem espiritual? Ninguém somente o próprio homem espiritual, que não somente conhece, mas possui a mente de Cristo. O homem espiritual é como o diamante: pode riscar qualquer corpo, mas não é riscado por nenhum (v.16).

3 comentários:

  1. Gostei ótima leitura!

    ResponderExcluir
  2. muto bom ai esta o carater de paulo e obijetivo do teu ministerio CRISTO

    ResponderExcluir
  3. PERFEITO. VC É UM HOMEM CUJA A SABEDORIA OCULTA FOI RESERVADA DESDE DA FUNDAÇÃO DOS SECULOS.

    ResponderExcluir