Jeremias 13-17

Capítulo 13: Ilustrações da desobediência
Deus manda Jeremias comprar um cinto de linho e enterrá-lo na região do rio Eufrates. Essa dramatização era para servir de ensino didático sobre o cativeiro na Mesopotâmia, na Babilônia. O mais impressionante é que Deus não apenas trata o povo no cativeiro como um povo apodrecido como aquele tecido, mas enfatiza que aquele cinto sempre esteve na cintura de Deus. Da mesma maneira, o povo de Judá está colado ao Senhor. O jarro também ensina que a ira de Deus encheu a medida. Deus quebrará a nação como forma de disciplina. As manchas do leopardo é uma ótima ilustração sobre o pecado arraigado na natureza do homem. Judá não quer mudar de situação.

Capítulo 14: A grande seca em Judá e as orações rejeitadas
A grande seca por causa da desobediência de Judá traz sofrimento a todos os moradores. A água se torna escassa e, por isso, as pessoas fazem fila com vasilhas para conseguir um pouco do precioso
líquido. Lembramos com tristeza a situação no nordeste brasileiro, em algumas regiões. Há, inclusive, desvio de caminhões pipas por interesses financeiros. Voltando à disciplina bíblica de Judá, o profeta clama ao Senhor, porém, suas orações são rejeitadas três vezes, pois o Senhor deu tempo para arrependimento e o povo não ouviu.

Capítulo 15: Deus decidiu não ter misericórdia
A decisão de Deus não pode ser vista como falta de amor, mas pelo contrário, uma demonstração radical de amor. A única maneira de chamar a atenção do povo agora é através do cativeiro. O profeta entra em desespero, mas o Senhor mostra consolo especial a ele. O fato é que Deus se cansou de mostrar misericórdia. O crente precisa agradecer por não receber juízo, mas não pode abusar da misericórdia oferecida pelo Senhor. Ele sabe disciplinar o filho indiferente ao Seu amor.

Capítulo 16: O profeta solteirão
O plano de Deus para quase todos é o casamento. O plano original de Deus na criação é o casamento. No entanto, há tempos difíceis em que o casamento não deveria ser prioridade. Numa guerra, por exemplo. Embora, dizem que já houve muitas histórias de casamento em períodos de guerra. O sofrimento seria multiplicado com o casamento em época de cativeiro. O apóstolo Paulo em 1 Coríntios 7 também sugere não se casar por causa da “situação presente de angústia” a qual não sabemos a que se referia. O capítulo 16 de Jeremias, levanta uma importante questão sobre a disciplina por causa do próprio pecado e não somente por causa dos pecadores cometidos, anteriormente, pelos pais.

Capítulo 17: O engano do pecado e a salvação verdadeira
O pecado de Judá foi gravado em pedra. O Senhor está disposto a esquecer os pecados em Cristo Jesus. Na vida diária, o crente precisa confessar os seus pecados, não para obter salvação, pois já a tem em Cristo, mas para não ter a comunhão interrompida. Cremos que ao confessarmos, imediatamente obtemos a restauração da comunhão com Deus. No caso de Judá, a disciplina virá com toda a certeza, pois houve cinismo da parte da nação, não se arrependendo de sua desobediência. O coração nos engana e nos leva para longe de Deus. Só Ele conhece as motivações do nosso coração. O apóstolo Paulo em 1 Coríntios 4 disse que mesmo que sua consciência não o acuse, ele deixa o julgamento com o Senhor. Ele sabia do engano do seu próprio coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário