Gênesis 7



Capítulo 7: O despejo da ira de Deus sobre a humanidade
Noé atendeu à ordem de Deus. Mesmo sendo um pecador foi considerado justo, pois creu na providência de Deus para salvar os que se achegassem a Ele. Embora ainda não houvesse a regulamentação dos animais limpos e imundos, Noé soube o que Deus queria e separou os animais para o sacrifício que ofereceria mais tarde. A chuva duraria 40 dias e 40 noites. A chuva não foi comum. As águas reservadas para isto se romperam, as do abismo e as do céu. Após os animais e a família de Noé entrarem na arca, o próprio Deus fechou-os. As águas subiram uns 7 metros acima dos grandes picos. As águas só baixaram depois de 150 dias. É bom saber que estudiosos como Ramm e Heidel e muitos outros aceitam a narrativa bíblica, não como um mito, mas como a Palavra de Deus. É claro que todos temos muitas dúvidas sobre aspectos particulares do dilúvio, mas isto acontece em todas as esferas de conhecimento. Não temos certezas de tudo, mas avançamos no
conhecimento que temos de todos os aspectos da vida (v.1-24).


Nós aceitamos a narrativa de Gênesis sobre o Dilúvio como factual e verdadeira, um evento histórico, mas não podemos interpretar, explicar ou acrescentar às palavras citadas em Gênesis sem apresentar incertezas. Muitas teorias têm surgido para explicar aspectos específicos  do dilúvio e assim fazer a narrativa se adequar à interpretação. Algumas dessas teorias podem ser brevemente avaliadas sobre a base da arqueologia estabelecida e dados geológicos.[1]


[1]  The Zondervan pictorial enciclopédia of the Bible – volume 2 pg. 551 (Zondervan Corporation 2ª impressão 1977)

Nenhum comentário:

Postar um comentário