Oseias 2

Capítulo 2: Israel machucada, mas restaurada
1.Os filhos da adúltera Gômer não deixam de ser irmãos. Tudo o que a nação de Israel produziu como promessa de Deus a Abraão continua a valer, inclusive, nós Igreja somos irmãos da mesma família, a família do pai da fé, Abraão. Oseias quer a restauração da esposa adúltera, assim como o Senhor quer a reconciliação com a nação de Israel, mas só acontecerá isso mediante o arrependimento e conversão a Jesus Cristo, o Messias de Israel. A nação foi descrita em Ezequiel 16 como um bebê abandonado no deserto e cuidado pelo Senhor que se casou com ela. O adultério da nação acabou prejudicando os filhos, todos os judeus. Deus bloqueou o caminho da nação para não ir atrás dos amantes. Deus dificulta nosso caminho para o pecado através da Palavra, do Espírito Santo, das orações dos irmãos e da disciplina da Igreja. São espinhos que machucam, mas é só não
tentar atravessá-los. Quando crentes começam a procurar por benefícios no mundo, temos que orar que eles fiquem frustrados. Quando filhos começam a se desviar dos caminhos do Senhor, os pais devem orar pelo seu insucesso. As frustrações de planos fazem as pessoas mudarem de direção. Que sejam frustrados no mundo para se voltarem para o Senhor. Deus nos abençoa para O glorificarmos e não para usarmos as bênçãos e capacidades com o mundo. O Senhor pode acabar com a alegria do povo desobediente para retornarem a Ele (v.1-13).

“Algo da linguagem aplica-se literalmente à família de Oseias, outro tanto à nação figuradamente, e mais alguma coisa a uma e à outra, alternando-se o sentido literal com o figurado. ‘Suas frases acompanham o ritmo das pulsações de um coração ferido’.”[1]

2.Se através dos sofrimentos, o Senhor conseguir atrair de volta a esposa adúltera, então valeu a pena. A restauração é o único objetivo de Deus fazer Israel sofrer. A disciplina do Senhor só tem como objetivo a restauração do crente desobediente para que não seja condenado com o mundo. O relacionamento deverá ser mais intenso. Não mais “meu senhor”, mas “meu marido”. Israel tem a promessa de restauração, fim das guerras e um reino de paz. Aguardamos este dia maravilhoso. A Igreja já tem suas promessas celestiais em Cristo. A nação de Israel também têm suas promessas terrenas e de um reino do qual nós, Igreja, também participaremos (v.14-23).


[1] Manual Bíblico, pg.315 – Henry H. Halley (Edições Vida Nova, 6ª edição em português – São Paulo – 1984)

Nenhum comentário:

Postar um comentário