Gênesis 30



Capítulo 30: Os filhos e rebanhos de Jacó
1.Não ter filhos já era difícil, mas morar com a outra esposa do marido que gera filhos é insuportável. A paciência de Jacó se acabara com a mulher que ele mais amava, Raquel. Para amenizar o sofrimento de Raquel, Jacó teve filho para ela através de sua serva, Bila. Passou a ser uma questão de luta pessoal de Raquel contra Leia. É claro que Leia levava vantagem, pois os filhos eram de seu próprio ventre, enquanto Raquel usava Bila para gerar filhos para Jacó. Leia aceitou o desafio e, não podendo mais ter filhos, usou sua serva Zilpa para gerar filhos para Jacó. Os nomes dos filhos eram escolhidos conforme a situação que envolvia o parto ou o estado emocional da mãe (v.1-13).

2.Acreditava-se que as frutas dessa planta, mandrágora, da família da batata, despertavam o desejo sexual e ajudavam a mulher a ter filhos (Ct 7.13). A raiz da mandrágora se assemelha ao corpo
humano. Raquel queria as frutas na esperança, de fato superstição, de que engravidaria de Jacó. Jacó preferia Raquel, mas ela se dispôs trocar a noite com Jacó pelas mandrágoras de Leia. Embora Leia não fosse estéril, ela deixou de ter filhos. No entanto, ela ficou grávida. Por ter dado mais filhos para Jacó, ela pensou que ele fosse gostar mais dela (v.14-21).

3.Finalmente, Raquel se engravidou, devido à bondade de Deus e não por causa das mandrágoras. Jacó achou que já estava na hora de retornar à sua terra, por isso, reivindicou de Labão seus direitos para ir com tudo o que lhe pertencia. Labão via a mão de Deus na vida de Jacó e não queria que ele fosse embora. Parece que Jacó não trabalhou por salário, mas pelas mulheres e pela produção de gado. Chegou o momento de Jacó viver mais para a família de modo independente. Jacó propôs que todo o rebanho de cabras salpicado e malhado e as ovelhas escuras seriam dele e as demais de Labão. Jacó estava propondo que a maioria do rebanho ficasse com Labão. É difícil saber a quais filhos o v. 35 se refere, aos de Labão ou aos de Jacó. Não há explicação científica nas varas listradas influenciado na genética. O rebanho ao beber água e ver as varas tinha vontade de copular. Nisso havia superstição, não genética, no entanto, Deus está controlando a reprodução para beneficiar Jacó. Isso não isenta Jacó de mais uma vez voltar à sua velha prática, enganar as pessoas para se beneficiar (v.22-43).

“Por favor, não perca este maravilhoso princípio de nosso gracioso Pai celestial. O seu coração amoroso nos procurará e nos perseguirá até nos encontrar. Foi exatamente assim que Deus me tratou. Um dia eu estava esperando que Ele dissesse: ‘Chega!’ e me puniria severamente. Eu estava esperando que o martelo da justiça de Deus caísse sobre mim – ou talvez sua espada. Antes, Ele me surpreendeu com Seu terno amor e misericórdia. Eu não estava preparado para isso e Sua graça quebrou o meu coração.”[1]


[1] Come Rest with Me, pg. 92 – Bryan R. Coupland (Xulon Press – EUA – 2009)

Nenhum comentário:

Postar um comentário