Gênesis 39



Capítulo 39: José na casa de Potifar e depois na prisão
1.José sofre a humilhação de ser tratado como mercadoria. Porém, na casa de Potifar, José cresceu de muitas maneiras. Certamente, ganhou um bom físico, boas maneiras, estudos egípcios, percepção militar e habilidade nos negócios. O próprio Potifar, oficial de Faraó, via o desenvolvimento de José e reconhecia que o Deus de Israel, ainda desconhecido aos egípcios, estava com ele. José ganhou total confiança de Potifar. Sendo que Deus estava abençoando José, Potifar foi abençoado por estar envolvido com ele. O crente é um canal de bênçãos para os que estiverem perto dele. José nem era supervisionado por Potifar, tal era confiança nele. O texto enfatiza o físico e a beleza de José, pois a seguir isso o coloca em grandes apuros (v.1-6).

“Os nossos inimigos podem nos despojar das honras e dos adornos externos; porém, a sabedoria e a graça não nos podem ser retiradas. Eles podem nos separar dos nossos amigos, dos nossos parentes e
da nossa pátria, mas não são capazes de separar-nos da presença do Senhor. Podem nos separar das bênçãos externas, roubar a nossa liberdade e confinar-nos em calabouços, mas não podem impedir a nossa comunhão com Deus, nem com o trono da sua graça, ou roubar de nós as bênçãos da salvação. José foi maravilhosamente abençoado mesmo na casa onde estava como escravo. A presença de Deus conosco faz com que tudo o que façamos prospere. Os homens bons são uma bênção no lugar onde vivem; os bons servos podem sê-lo ainda que detestados. A prosperidade do ímpio é, de um modo ou de outro, a causa do piedoso. Aqui, uma família má foi abençoada por amor ao seu bom servo.”[1]

2.A mulher de Potifar acabou se engraçando com José e o convidou para ter relações sexuais. José teria sido ridicularizado pela mentalidade do mundo e até visto como um homossexual, mas ele foi um homem de caráter e temente a Deus. Testemunhou à mulher sobre o Deus de Israel como sendo a razão de sua integridade e em segundo lugar à sua fidelidade para com Potifar. A insistência dela nos lembra a sedução do mundo para derrubar o crente e a perseverança de José nos avisa sobre como andar neste mundo sexista. José foi assediado brutalmente, mas teve forças para desvencilhar-se da luxúria. A força de um homem fugir de uma situação assim não é seu controle sexual, pois não existe isso, mas sim sua mente treinada nas coisas de Deus. A nossa comunhão com Deus diária nos dá reservas para quando o dia mal. A mulher de Potifar, com o orgulho ferido, inventou uma história que prejudicou o servo de Deus, José. Talvez José estivesse, em seus pensamentos, lutando com sua fé. Será que vale a pena evitar os prazeres fáceis deste mundo para seguir a Deus e receber a vergonha e prisão como recompensas? Deus estava preparando José para o que viria a seguir. Ele caiu na graça do carcereiro e até recebeu responsabilidades na prisão. Deus estava preparando José para liderar (v.7-23).


[1] Comentário Bíblico de Matthew Henry, pg. 105-106 – Matthew Henry (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - 3ª Edição - 2003)

Nenhum comentário:

Postar um comentário