Gênesis 40



Capítulo 40: José, o intérprete de sonhos
Naquele reino de tantos súditos devia haver questões de roubo, ofensas, imoralidade e outras complicações todos os dias. Numa dessas complicações, temos dois personagens presos, além de José, o copeiro e o padeiro. José estava preso, mas com privilégios do carcereiro, portanto, chefe sobre os demais prisioneiros. José, chamado pelos seus irmãos de sonhador, teve a oportunidade de interpretar sonhos dos prisioneiros, o padeiro e o copeiro. José não reivindicava para si a capacidade de interpretar os sonhos, mas atribuía a Deus. O copeiro sonhou com o seu trabalho que era servir vinho. José interpretou o sonho do copeiro que tinha um final feliz. José nada cobrou, exceto que o copeiro se lembrasse dele e pedisse que Faraó o libertasse, pois José afirmava sua inocência. O padeiro também sonhou com seu trabalho e, igualmente, mas o final do sonho era um pesadelo,
pois José interpretou que o padeiro seria executado por Faraó e foi o que aconteceu. O copeiro não se lembrou de José e este continuou preso. O Senhor também estava treinando José para conhecer como funcionava o sistema judiciário do Egito bem como as festas. José deveria ter mais um pouco de paciência. Assim, o servo de Deus precisa exercitar-se na paciência no Senhor, pois algumas vezes será injustiçado e esquecido (v.1-23).

          “José queria ficar livre para viver e realizar toda a vontade de Deus em sua vida.”[1]


[1] Comentário Bíblico Moody – Gênesis pg. 96 (Editado por Charles F. Pfeiffer – Imprensa Batista Regular 4ª impressão 2001)

Nenhum comentário:

Postar um comentário