Gênesis 43

Capítulo 43: A reunião de todos os filhos de Jacó no Egito

“A obra de Deus sobre os corações dos irmãos de José estava apenas começando. José foi o instrumento de Deus e sabia disso. Os irmãos não estavam se auto acusando, mas admitiram que tudo era uma justa retribuição por causa do seu pecado. Entretanto, eles não estavam quebrados por seu pecado e nem o venceram, de fato. Ainda não se tornaram homens regenerados. Começara os últimos passos na obra de sua restauração os quais se seguem nos capítulos seguintes.”[1]

1.O argumento de Rúben não foi suficiente para Jacó permitir que levassem Benjamim ao Egito. Porém, Judá conseguiu persuadir o pai. A fome e o futuro da família foram os fatores determinantes para Jacó ceder. Jacó não quis mentir, mas ficou inconformado de terem revelado a existência de Benjamim. Deus estava planejando reunir toda a família e José, usado por Deus, forçou os irmãos através de investigação fingida, pois na verdade ele sabia da existência de Benjamim. O argumento de Judá não foi diferente de Rúben, mas por alguma razão, resistiu a Rúben, mas cedeu a Judá. Jacó
enviou com os filhos presentes para José para agradá-lo. Era o último recurso de Jacó para perpetuar a família (v.1-14).

2.José estava esperando ansiosamente os irmãos e mandou fazer um banquete a todos para desfrutar daquela refeição com todos os irmãos reunidos. Os irmãos não estavam à vontade, mas tensos pensando o pior devido ao dinheiro que retornou nos sacos. Eles pediram a intermediação de um servo de José. O despenseiro sabia de todo o esquema do dinheiro e reconhecia que Deus estava com os irmãos de José. Não devia ser comum uma situação privilegiada assim. Quando José chegou até aos irmãos, foi cumprida a profecia do sonho de José. Os irmãos se inclinaram diante dele oferecendo-lhes presentes. O Senhor Jesus recebeu presentes dos homens do oriente também. Um dia, todos se ajoelharam diante do Reis dos reis. José não era duro de coração, como se vê claramente em suas lágrimas por ter visto Benjamim. Durante a refeição, ficou bem clara a separação que havia entre os egípcios e hebreus. Certamente, os hebreus também não se juntariam com os egípcios em uma situação normal. Tudo aquilo era uma questão de sobrevivência e, claro, por detrás daquela cortina havia o maravilhoso plano de Deus para conduzir o povo de Israel ao triunfo e consolidar uma nação escolhida de Deus. Parece que foi ideia de José dispor os irmãos por ordem de nascimento. Os irmãos dele ficaram impressionados com a organização. José não escondeu sua preferência por Benjamim que foi o mais honrado daquela refeição (v.15-34).


[1] Exposition of Genesis, pg. 518 – H.C. Leupold (The Wartburg Press - Grand Rapids – MI – EUA – 1942)

Nenhum comentário:

Postar um comentário