Naum 2

Capítulo 2: Velozes e furiosos
1.O aviso é de certeza e não de alternativa. Quando Jonas pregou, houve arrependimento. Desta vez, os pecados já são descobertos, deliberados e o juízo é certo. Não é Israel e nem Judá quem invadirá Nínive, mas a Babilônia. A vingança para Israel virá através da Babilônia. O exército é de colocar medo. Os escudos e armas brilhantes, as roupas vermelhas e os carros velozes e furiosos entrando pela cidade farão os líderes entrarem em pânico. A Babilônia contou com a grande enchente do rio Tigre que invadiu Nínive, destruindo a muralha que lhe dava segurança. As águas se tornaram o grande inimigo do país banhado pelo Tigre e Eufrates. Clamavam para a água parar, mas esta não obedecia a cidade-rainha. Ficou fácil para a Babilônia invadir, saquear e levar os cativos. Nínive era como um covil de leões que apavorava, mas agora os leões fogem e são despedaçados (v.1-13).

“Esta é uma das melhores descrições de um cerco na literatura, se não a melhor. Não dá bons resultados imaginar que é uma referência aos automóveis modernos, como pensam alguns. Tal manuseio das Escrituras não é digna do estudante sério das Escrituras.”[1]


Falsa segurança
1.Invação de exército e enchente (v.1-5)
2.Leões que fogem (v.7-13)




[1] Comentário Bíblico Moody – Naum, pg. 9 (Editado por Charles F. Pfeiffer – Imprensa Batista Regular 4ª impressão 2001)

Nenhum comentário:

Postar um comentário