Êxodo 24

Capítulo 24: A gloriosa presença de Deus
Deus sempre quis fazer-se presente ao homem, porém, a barreira do pecado faz a separação. No entanto, Deus escolhe Moisés e os líderes da nação para testemunharem da misericórdia de Deus. As autoridades religiosas e políticas da nação chegariam mais perto de Deus do que o povo, mas apenas Moisés tinha a autoridade como mediador de se apresentar a Deus. O povo estava disposto a obedecer a Deus, mas isto não significa que conseguiria. Todas as doze tribos de Israel estavam representadas em doze colunas. Os jovens tiveram participação na adoração a Deus, sendo responsáveis por sacrifícios de comunhão. A base dos mandamentos era sempre os mandamentos de Deus e não mandamentos de homens, nem mesmo de Moisés. A base também era o sangue. A presença de Deus é gloriosa e linda como safira. Deus não os destruiu ainda que viram a sua presença. Por causa do mediador, Jesus, não há o perigo de sermos exterminados pelo Deus santo. A Lei de Deus, os Dez Mandamentos, foi escrita pelo próprio Deus. É verdade que Moisés escreveu
outros mandamentos que Deus expandiu dos Dez Mandamentos. É verdade também que Moisés escreveu na segunda vez, pois as tábuas foram quebradas. Josué era o auxiliar de Moisés e subiu também. Isso é digno de nota, pois esperávamos que Arão subisse. Arão ficou para tomar conta do povo e, como veremos, falhou nessa tarefa. A nuvem representava a presença e glória de Deus. A presença de Deus pode ser gloriosa para o crente, mas apavorante para o pecador. O povo via a glória de Deus como um fogo consumidor. Um dia, víamos Deus como ameaça, hoje vemos o nosso Deus como aquele que nossa segurança. Somente Moisés se encontrou com Deus no meio da nuvem de glória (v.1-18).

“A maioria dos homens não está espiritualmente preparada para aproximar-se da presença de Deus. Há gradações de acesso, tal qual há gradações de espiritualidade... Em Cristo, temos um acesso completado, ao passo que em Moisés havia apenas um acesso preliminar... É possível que os israelitas, pensando que Moisés tinha sido consumido em meio ao espetáculo divino, tenham caído em desespero, voltando-se assim para a idolatria.”[1]

A presença gloriosa de Deus
1.Deve ser experimentada pela liderança (v.1-2)
2.Deve provocar compromisso de obediência (v.3)
3.Deve levar o pecador à adoração (v.4)
4.Deve motivar jovens e não apenas os velhos (v.5)
5.Deve ser baseada no sangue do Cordeiro (v.6,8)
6.Deve ser baseada na Palavra de Deus (v.7,12)
7.Deve se mostrar bela (v.9-10)
8.Deve mostrar misericórdia (v.11)
9.Deve ser compartilhada com irmãos em discipulado (v.13)
10.Deve ser acompanhada de responsabilidade e cuidado (v.14)
11.Deve ser visível em sua glória (v.15-16)
12.Deve provocar temor e reverência (v.17)
13.Deve ser, ao mesmo tempo, particular (cada um no mediador estaria ali) (v.18)



[1] O Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo vol. 1, pg.412 – Russell Norman Champlin (Editora Hagnos – São Paulo – SP – 2ª ed. 2001)

Nenhum comentário:

Postar um comentário