Levítico 7-12

Capítulo 7: Várias normas técnicas dos sacrifícios
Os sacerdotes precisavam saber todos os detalhes de como oferecer os sacrifícios. Para quem pensa que os sacrifícios eram realizados em clima de tristeza e lamento por causa dos pecados, engana-se, pois havia ofertas de gratidão, mas com a morte do inocente. Isso nos adverte para o fato de que até mesmo nossa ação de graças é por causa da morte de Jesus na cruz. Havia também as ofertas dos votos e de comunhão.

Capítulo 8: Os primeiros sacerdotes (Arão e o filhos)
Moisés deu início ao ofício dos sacerdotes consagrando Arão e os filhos. Cada detalhe foi
observado, pois tratava-se de uma função sagrada na qual os sacerdotes conduziam o povo na adoração e confissão dos pecados através dos sacrifícios. Na obra de Deus, os líderes têm uma grande responsabilidade e, por isso, são reconhecidos publicamente como homens de caráter irrepreensível. Diferente daquela época, os líderes da igreja não são escolhidos com base na família de onde vêm, mas conforme as qualificações de 1 Tm 3 e Tito 1.6-9. Cada vez que descermos o padrão de qualificação que Deus deixou para a igreja, teremos crentes mais fracos e com padrões mais baixo ainda.

Capítulo 9: O início do ministério sacerdotal de Arão e seus filhos
Antes de oferecer animais em sacrifício pelo povo, os novos sacerdotes ofereceram ofertas por si mesmos. Somente Jesus não precisou oferecer ofertas por si mesmo, pois Ele não é pecador. A confirmação do ofício sacerdotal de Arão e os filhos veio do próprio Deus. O fogo saiu da presença do Senhor e consumiu o holocausto no altar. A confirmação do ministério dos líderes da igreja virá com a bênção do Senhor e o reconhecimento do povo de Deus.

Capítulo 10: Nadabe e Abiú e o fogo estranho
O sacerdócio foi confirmado e tudo seria alegria, mas logo o homem pecador contaminou a adoração santa ao Senhor. Os filhos de Arão, Nabade e Abiú, fizeram algo sem a autorização. Isso mostra que os líderes têm limites a serem obedecidos na obra de Deus. Semelhante ao que aconteceria nos primeiros dias da igreja com Ananias e Safira, o Senhor consumiu Nadabe e Abiú. Deus não permitiu que Arão e seus outros filhos chorassem a morte de Nadabe e Abiú, contudo o povo podia. Não sabemos exatamente o que aconteceu para que a ira de Deus se acendesse contra os filhos de Arão. Alguns pensam que eles estavam bêbados devido à advertência que vem a seguir sobre o uso do vinho e bebidas fermentadas. Isso é apenas uma hipótese.

Algumas explicações são bem coerentes[1]
1) O sumo sacerdote é quem deveria oferecer incenso ao Senhor, 2) O incensório a ser usado deveria ser o do sumo sacerdote e não o deles, 3) Somente no Dia da Expiação é que deveria o incenso ser levado para dentro do Santo dos Santos, 4) Não pediram permissão para Moisés, 5) O fogo deveria ser tirado das brasas do altar de bronze e 6) Estavam sob efeito do álcool

O certo é que não consideraram o sacrifício com seriedade. Na obra de Deus não podemos agir de modo leviano. Tudo é importante e santo na obra de Deus e devemos ser reverentes. Outros filhos de Arão cometeram algum erro na ministração dos sacrifícios não comendo parte do sacrifício pelo pecado. Queimaram sem comer nenhuma parte. Arão explicou a Moisés que, embora fosse proibido de lamentar pelos filhos, talvez fosse razoável fazer jejum. Moisés se contentou com o argumento.

Capítulo 11: Animais limpos e animais impuros
O Senhor deixou normas bem claras sobre o que era puro e o que era impuro. O modo de lidar com objetos e a dieta a ser obedecida por todo o povo. Tudo o que Deus criou é bom e nada é rejeitado. Este conceito veio depois com a explicação do apóstolo Paulo para a igreja, composto de judeus e gentios. Antes de Paulo, Pedro se deparou com alimento proibido aos judeus, mas Deus estava mudando a dieta. Isto nos mostra que a Lei com todos os detalhes teve um objetivo específico para uma época específica. A obediência ou desobediência rotularia a pessoa de justa ou perversa. Todos sabemos que o homem não conseguiu obedecer com exatidão aos mandamentos de Deus. Isto foi bom, pois não resta dúvida alguma de que o homem é pecador. Ele desobedece às ordens mais simples de Deus.

Capítulo 12: O puerpério[2]
A mulher que dava à luz a um menino ficava 7 dias impura. Não se trata de impureza moral ou física. Era um ritual no qual Deus mostrava mais uma vez, de modo visual, a separação do certo e do errado, do puro e imundo, da obediência e desobediência. No oitavo dia, o menino era circuncidado e, então, a mãe aguardava mais 33 dias até receber a permissão de voltar ao convívio com outras pessoas. Nesse tempo, a mãe e o filho, debilitados e frágeis, estavam longe do perigo de infecção ou doenças. Os fluidos corporais e sangue que saem da mulher faziam dela impura, mas, novamente, é bom lembrar que não havia nenhum pecado em ter tido relação sexual e gerado a criança. Eram leis que faziam parte de um conjunto de rituais. Não sabemos porque, no caso de nascer uma menina, o tempo era dobrado. A oferta pelo pecado, tanto do nascimento de menino quanto de menina, pode fazer os pais se lembrarem que o pecado já nasce com os filhos. Davi disse que em pecado ele foi concebido e é um lembrete a todos que todos são pecadores desde o nascimento.


[1] Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 346 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)
[2] Segundo o dicionário Houaiss é o período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação.

Um comentário:

  1. Até então não conseguia tirar aplicações do livro de levítico, que Deus continue te usando como despenseiro e bom ministro pra abençoar a igreja! Um abraço!
    Rafael Fernandes carvalho

    ResponderExcluir