Ester 7

Capítulo 7: A revelação da origem de Ester ao rei e sua petição
1.Tudo continuava como o combinado. Ester daria um banquete para o rei e Hamã. O rei não se esqueceu da promessa de honrar Ester com algum presente especial à escolha dela mesma. Algo que também deveríamos ter em mente é que a vida continua, não importa quais sejam nossos planos. No caso de Ester, ou perturbações da mente, no caso de Hamã. São nas situações normais da vida, no cotidiano é que as coisas acontecerão. Ester revela a sua origem e se identifica com o povo de Israel a quem Hamã queria exterminar. É importante sempre nos identificarmos, para o bem ou para o mal, com o povo de Deus. Se somos crentes em Cristo Jesus, temos que assumir nossa fé na sociedade. Às vezes, é vergonhoso, devido aos maus exemplos. No entanto, somos o que somos graças a Salvação em Cristo Jesus. Ester disse ao rei que nada faria se o caso fosse de um
novo cativeiro, mas a questão era de genocídio, ou seja, a matança de um povo todo (v.1-4).

2.O rei não estava informado de nenhuma outra matança que não fosse do povo de Israel, por isso, ele não entendeu o que Ester estava dizendo e temos que lembrar que, até então, Ester não revelara sua origem. Chegou o momento de Ester delatar Hamã. A denúncia não é algo fácil, pois exige coragem e provas, mas Ester tinha as duas. Hamã estava com muitos problemas, pois Mordecai fora um motivo de sua humilhação pública, mas o que ele não sabia era que Ester intercedia ao rei pelo povo de Israel e que era ligada a Mordecai. Por isso, ele deve ter gelado ao ouvir aquela delação. O rei, atordoado, teve que tomar um fôlego no jardim. Enquanto isso, Hamã suplicava a Ester que intercedesse ao rei por sua vida. A situação virou completamente e Ester tinha aquele homem em suas mãos. Porém, ela teria que ser muito determinada, pois não se tratava de compaixão ou falta desta, mas da proteção de seu povo. Ela fora colocada ali por Deus e agora era o momento da execução plena da vontade Dele sobre Israel e Hamã (v.5-8).

3.O rei, ao voltar do jardim, e ao ver Hamã caído no divã onde estava Ester, não pensou duas vezes e concluiu que além daquela bombástica revelação, a de que ele decretou a matança do povo de sua rainha, agora, Hamã tem a coragem de tentar abusar sexualmente de Ester. É claro que não era isso que estava acontecendo, mas o rei Assuero, que já era movido por emoções, e que agora estava perturbado devido aquela revelação, não queria parar para refletir na cena que estava diante dele. Ao cobrirem a cabeça de Hamã, estavam entendendo que ele estava cortado da presença do rei. O rei nem queria mais olhar o rosto de Hamã. O oficial Harbona não demorou em dizer que a forca que o próprio Hamã preparara estava pronta para recebê-lo. Dependia somente do rei se queria a execução de Hamã. Harbona enfatizou que a forca tinha sido preparada para Mordecai, o qual era justo e tinha ajudado o rei. Talvez tenha sido o julgamento mais rápido da Pérsia. O rei mandou enforcar Hamã. O fato é que na mente do rei ele estava enforcando Hamã pela tentativa de estupro contra sua rainha. Para nós, é claro, sabemos que foi a justa vingança de Deus contra o inimigo de Seu povo (v.9-10).

“É digno de nota a frequência com que o rei concordava com as sugestões dos que o cercavam.”[1]

Situações antigas que se revelam no presente e em todas as épocas
1.Um compromisso antigo, um banquete (v.1)
2.Uma promessa antiga, um desejo a ser cumprido (v.2)
3.Um plano antigo, proteção de um povo (v.3)
4.Uma injustiça antiga, ameaça de genocídio (v.4)
5.Uma negligência antiga, a desinformação (v.5)
6.Um inimigo antigo, Hamã (v.6)
7.Um desabafo antigo, “contar até mil” (v.7)
8.Um medo antigo, uma súplica pela vida (v.7)
9.Uma conclusão antiga, homens são sexualmente abusivos (v.8)
10.Uma prática antiga, cobrir o rosto dos que serão executados (v.8)
11.Um histórico antigo, um rei que aceita sugestões de seus oficiais (v.9)
12.Uma reputação antiga, um súdito fiel ao rei (v.9)
13.Um ditado antigo, “morto na própria forca” (v.10)

Outros ditados semelhantes, alguns deles bíblicos:
“Quem faz o mal receberá o mal em troca”
“Cavando a própria cova”
“Quem com ferro fere com ferro será ferido”
“O feitiço se volta contra o feiticeiro”
Quem faz uma cova, nela cairá” Pv 26.27
“Se alguém rola uma pedra, esta rolará de volta sobre ele.” Pv 26.27
Abre, e aprofunda uma cova, e cai nesse mesmo poço que faz.” Sl 7.5
Quem cava um poço cairá nele; quem derruba um muro será picado por uma cobra.” Ec 10.8






[1] Novo Comentário da Bíblia – Ester, pg.17 (Editado pelo Prof. F. Davidson, MA,DD. Editado em Português pelo Rev. D. Russell P.Shedd, MA, BD, PhD – Edições Vida Nova – São Paulo – SP – 2000)

Nenhum comentário:

Postar um comentário