Levítico 27

Capítulo 27: Os votos ao Senhor[1]
1.O livro termina com instruções sobre devoção a Deus de pessoas, animais, propriedades e frutos da terra. Não deveríamos banalizar este assunto de votos. Eles são totalmente voluntários e nada tem a ver com barganhas, ou seja, não fazemos votos para conseguir de Deus a realização de desejos pessoais. Não se trata de ganhar, mas oferecer. Não se trata de conseguir bênçãos, mas de dar louvores. O crente do Antigo Testamento, no meio do povo de Israel, vivia em um contexto de ordenanças e numa prática bem definida de Ano do Jubileu, resgates e dedicação. Portanto, é inútil confundir uma aplicação moderna e confusa de votos como moeda de troca para adquirir bênçãos terrenas. A instrução começa com a dedicação de pessoas. Alguém poderia se entregar para o serviço do santuário, das coisas sagradas da adoração comunitária. Alguém podia dedicar uma outra pessoa também. No entanto, já havia muita gente a serviço do santuário, os levitas. Sendo assim, a parte de devoção pessoal poderia ser demonstrada através de ofertas em dinheiro.  O siclo equivalia a um mês
de trabalho. O valor diferia conforme o que se esperava de trabalho de uma pessoa. Criança, mulher, homem e idoso tinham seu preço de dedicação distintos (v.1-8).

2.Os animais eram consagrados ao Senhor. Nem todo animal era para sacrifício. Havia cargas para serem carregadas, por isso, a oferta de animais era bem-vinda. Na troca de animais, o ofertante arcava com a despesa adicional de 20% (v.9-13).

3.Casas e propriedades também eram dedicadas ao serviço do Senhor. Na hora de remir uma propriedade, ou seja, tomá-la de volta, também acrescentava-se 20%. Se alguém vendesse uma casa, enquanto esta estivesse ao serviço de Deus, ao chegar o Ano do Jubileu, o proprietário perdia a casa. Esta ficava definitivamente para os sacerdotes. Aquilo que consagramos ao Senhor não deveria ter volta. (v.14-25).

5.Algumas coisas não tinham direito à remissão. Os primogênitos dos animais, as coisas que Deus tomou para si e as dízimas não podiam ser resgatados, tomados de volta, pois pertenciam ao Senhor. Os primogênitos dos animais passaram a ser do Senhor na Páscoa a qual se iniciou na libertação do povo do Egito. Quando Deus decidia tomar uma cidade ou alguma coisa para si próprio, então, era um caminho sem volta, o homem não teria nenhum direito sobre aquilo. Uma pessoa sentenciada à morte não poderia ser resgatada, seria morta. Acã e o rei dos amalequitas, por um exemplo. O dízimo dos frutos era do Senhor. Se alguém quisesse pegar algum fruto de volta deveria pagar pelo dobro  do valor, a quinta parte, ou 20%. O compromisso ao Senhor é mostrado neste capítulo e vemos a seriedade com que devemos tratar com este assunto. Do Senhor é a terra e toda a sua plenitude. Ananias e Safira lidaram com o assunto de dedicação de bens de modo hipócrita. Não precisavam dar nada, mas ao se comprometerem a isso, não deveriam mentir sobre o valor. Nem todos precisam se dedicar ao serviço do Senhor em tempo integral, mas se o fizermos precisamos saber que nem sempre é um caminho com retorno (v.26-29, ver At 5.1-11).

Dedicação a Deus
1.Avalie sua dedicação voluntária (v.1-8)
2.Entregue ao Senhor sem pensar no retorno (v.9-25)
3.Saiba que você não pode tomar para si aquilo que já é do Senhor (v.26-34)



Pércio Coutinho Pereira, 2015

Todas as fontes usadas neste material
1.      Muitas informações dessa introdução foram tiradas do livro Expository outlines on Old Testament - Warren W.Wierse
2.      Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 346 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)
  1. Segundo o dicionário Houaiss é o período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação.
4.      Para quem quiser ouvir uma mensagem de sinagoga sobre o Yom Kuppur (Dia da Expiação) com o rabino David Weitman acesse https://www.youtube.com/watch?v=4a86ZcQ3fhk (15/08/2015). Fica bem claro que eles creem que as boas obras os fazem aceitos por Deus.
5.      Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 367 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)
11.  Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 370 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)
12.  O dicionário Houaiss define assim xenofobia ou xenofobismo: desconfiança, temor ou antipatia por pessoas estranhas ao meio daquele que as ajuíza, ou pelo que é incomum ou vem de fora do país. É sinônimo de preconceito.
13.  http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2015-08-30/ministros-europeus-pedem-reuniao-de-urgencia-sobre-crise-de-refugiados.html
14.  O Antigo Testamento Interpretado versículo por versículo vol. 1, pg. 514-515– Russell Norman Champlin (Editora Hagnos – São Paulo – SP – 2ª ed. 2001)
15.  Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 399 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)
16.  Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 400-402 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)



[1] Comentário Bíblico Expositivo do VT Vol. 1 Pentateuco – pg. 400-402 – Warren W. Wiersbe (Editora Geográfica – 1ª edição 2006)

Nenhum comentário:

Postar um comentário