Esdras 3

Capítulo 3: A construção do altar e dos alicerces do templo
1.O povo estava como um só homem na cidade. Muito esforço, dificuldades, medo, mas ao mesmo tempo confiança, graças à boa mão de Deus e aos líderes usados por Ele para animar o povo. As primeiras providências foram o estabelecimento provisório nas cidades e construção do altar para, tão logo possível, começarem a adoração ao Deus merecedor de toda adoração. O povo estava temeroso com os povos ao redor, pois conheciam a fama deles e sua idolatria, mas mesmo assim construíram o altar e sacrificavam ao Deus único pela manhã e à tarde. Lembraram do detalhe que Deus exigiu, a festa dos tabernáculos, para recordarem que os seus pais habitaram no deserto em cabanas. A adoração estava em funcionamento perfeito, lembrando-se dos sacrifícios obrigatórios e voluntários. Ainda que não havia ainda os alicerces do templo, o altar era suficiente para adorarem ao Senhor. Nem tudo em nossa vida e projetos são completos, mas podemos fazer o melhor para
Deus com aquilo que temos. O povo foi mordomo fiel do rei e usou o dinheiro e os subsídios para edificar o templo (v.1-7).

2.Durante a construção, foi necessário a liderança de pessoas para supervisão da construção. Em todos os projetos comunitários é necessário a supervisão, pois todos começam animados e sinceros, mas com o tempo começa a bater a preguiça, o desvio de verbas e materiais e outras coisas que não gostamos de pensar, por isso, a segurança da supervisão se faz necessário. O povo queria obedecer a Deus e fazer tudo de forma organizada até ao ponto dos sacerdotes e levitas poderem exercer suas funções com vestes, utensílios e infraestrutura. Ao terminar a construção dos alicerces do templo, o povo louvou ao Senhor com alegria, reconhecendo a bondade e o amor de Deus para com eles. De fato, os mais velhos, que conheceram a antiga construção do templo, ficaram um tanto decepcionados e choravam de tristeza. Outros, que jamais viram os alicerces de um templo ao Deus verdadeiro, choraram de alegria. Isso mostra que realidades diferentes causam sensações distintas nas pessoas. A gratidão pelo momento resolve todas essas dificuldades (v.8-13).

Cinquenta anos tinham se passado desde que o primeiro Templo fora destruído, e muitos dentre os homens mais velhos que o tinham visto choravam agora por causa do triste contraste em tamanho e grandeza de planos. E que contraste era para com o glorioso Templo Milenial profetizado por Ezequiel, os judeus desse período sabiam-no muito bem! Quando o trabalho do segundo templo foi recomeçado em 520 A.C., alguns desses velhos homens choraram novamente (Ageu 2:3).[1]

O trabalho em equipe para Deus (Ed 3)
1.Todos agiram como se fossem um só homem (v.1)
2.Todos em torno de um só objetivo, a adoração a Deus (v.2)
3.Todos enfrentaram o medo juntos (v.3)
4.Todos agindo com base bíblica (v.4)
5.Todos seguindo uma rotina e não apenas uma emoção momentânea (v.5)
6.Todos serviam a Deus com o que era possível no momento e não com toda a estrutura (v.6)
7.Todos agindo com mordomia diante do rei (v.7)
8.Todos concordando sobre a necessidade de supervisão (v.8-9)
9.Todos num só pensamento e alegria, reconhecendo a bondade e o amor de Deus (v.10-11)
10.Todos choravam, mas nem todos pela mesma razão (v.12-13)




[1] Comentário Bíblico Moody – Esdras pg. 9 (Editado por Charles F. Pfeiffer – Imprensa Batista Regular 4ª impressão 2001)

Nenhum comentário:

Postar um comentário