Números 21

Capítulo 21: A serpente de bronze
1.A nação de Israel estava sendo treinada para as guerras que viriam quando entrassem em Canaã. O mesmo acontece conosco. Quando pensamos que o Senhor está nos abandonando ou permitindo que passemos por lutas, não devemos nos desanimar, pois Ele está nos treinando para vitórias futuras. A nação de Israel fez um voto ao Senhor prometendo fidelidade completa. Sabemos que votos e promessas saindo da boca do homem são muito instáveis, pois o homem não tem capacidades de levar a termo suas promessas feitas a Deus. No entanto, o plano de Deus era muito maior do que as promessas da nação. O que vale são as promessas de Deus em dar vitória ao povo e
não as promessas da nação em ser fiel (v.1-3).

2.O incidente a seguir tem muito a ver com a situação do pecador. Por causa desse incidente, os autores escreveram em seus hinos “Terás vida em olhar pra Jesus” e “Oh! Olhai, pois, e vivei”. O pecador no deserto, picado por cobra, precisava olhar para a serpente de bronze sendo levantada na haste. O próprio Jesus usou o incidente para apontar para Si próprio sendo levantado na cruz. O povo de Israel devia atravessar o deserto para encontrar a Canaã, terra maravilhosa e de descanso. O pecador atravessa um deserto espiritual, onde ganha muitas experiências até encontrar o Senhor face a face. Seja este pecador um crente, que se afastou do Senhor ou um incrédulo que ainda precisa de salvação. Este caminho é cheio de desertos para a alma, O pecador fica rodeando sem saber como encontrar o Seu Libertador. É um caminho cheio de angústia, pois nada satisfaz o pecador e tudo parece sem sabor. As bênçãos que Deus dá não satisfazem o pecador ingrato. Ele se esquece facilmente das águas da rocha e o pão diário lhe causa náuseas. O caminho de pecado é trilhado com muita angústia. A arrogância e a sede e fome de Deus são ignoradas (v.4-5).

3.Todo pecador precisa atravessar o caminho do sofrimento para encontrar o seu Libertador. “Antes de ser afligido andava errado” (Sl 119.67). O caminho do sofrimento é pesado, doloroso e, às vezes, mortal. O povo de Israel teve de enfrentar a mão de Deus em forma de serpentes que picavam mortalmente. Nada do que Deus fez foi injusto. Nenhum pecador que enfrenta a bondade de Deus tem o direito de acusá-lo de crueldade ou injustiça. O sofrimento é o caminho pelo qual o pecador passa para se arrepender. Quer dizer que o pecador sofre antes de ser condenado? Todos sofrem por causa do pecado que entrou no mundo. É necessário entender que o homem já nasceu condenado e a vida dele passa a ser o castigo da primeira queda no Éden. Portanto, todos já estão sofrendo o castigo do pecado, nascendo com uma natureza caída. Essa permissão de Deus na humanidade acaba sendo um caminho abençoado, pois sem passar por Ele não vemos necessidade de um Libertador (v.6).

4.O caminho seguinte ao sofrimento pode ser a morte ou o arrependimento. Quando há arrependimento, há também o clamor. O reconhecimento da ofensa contra a pessoa de Deus é claro. O desejo de orar é intenso. Paulo disse que se alegrou pela tristeza dos coríntios porque era uma tristeza para o arrependimento (2 Co 7.9-10). A diferença entre o arrependimento e o remorso é que o remorso é um caminho sem saída e o arrependimento é uma estrada transitável (v.7).

5.Falta pouco para encontrar o Libertador quando se passa pela estrada do arrependimento. Chegou o momento de passar pelo caminho da libertação. É o caminho decisivo para a mudança de vida. Quando Deus vê o nosso arrependimento, Ele providencia a libertação. O povo de Israel teve a bênção da provisão da serpente de bronze; enquanto nós tivemos a bênção da cruz de Cristo. O caminho da libertação ainda depende de fé. Quem não quisesse olhar para a provisão de Deus morreria. Todo aquele que não aceitar a provisão dele não andará no caminho da salvação. O pecador passa por caminhos difíceis, mas através do arrependimento e da aceitação da provisão de Deus ele receberá a libertação e se encontrará com o Libertador e viverá uma vida de abundância (v.8-9).

Os caminhos pelos quais o pecador atravessa até se encontrar o Libertador (21.4-9)
1.Pecado (v.4-5)
2.Sofrimento (v.6)
3.Arrependimento (v.7)
4.Libertação (v.8-9)

6.A seguir, o povo passou por diversos lugares, sempre protegido pelo Senhor. Eles tiveram água, pois Deus não os deixou sem provisão em nenhum momento. O povo também permissão para passar pelas terras do rei Seom, as terras dos amorreus. Da mesma maneira que os edomitas, o rei Seom não permitiu e atacou Israel, mas o Senhor esteve com o Seu povo e destruiu e ainda permitiu que Israel ficasse com as terras daqueles povos. As vitórias de Israel apenas começaram. A promessa do Senhor não falhou e o povo entraria na terra da promessa (v.10-35).

“… Confiando em Deus, e obedecendo aos seus mandamentos, seremos mais do que vencedores sobre cada inimigo.[1]



[1] Matthew Henry's Concise Commentary on the Whole Bible, Nm 21.21-35 (Published in 1706 extraído de e-sword version 10.3.0 - 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário