Números 30

Capítulo 30: Os votos


“Esta seção esclarece o importante princípio de que alguém não deveria considerar obrigações autoimpostas mais importante do que as tarefas dadas por Deus. Às vezes, uma criança piedosa fará um voto insensato a Deus. Mais tarde, na vida, ele ou ela podem reconhecer que o voto está prejudicando essa pessoa de obedecer ao Senhor. Nesses casos, a obediência não deve manter o voto.”[1]

“Sob a Lei era permitido às pessoas fazerem votos quanto ao que pudessem fazer no futuro, enquanto estava sob teste debaixo da lei. Mas este tempo de teste para Israel (que é um exemplo de toda a humanidade) tem provado que a humanidade não é digna de confiança com respeito a manter suas promessas. Por isso, o Jesus Jesus, em Mateus 5.33-37 [falou sobre votos e juramentos]... Portanto, votos não têm lugar no Cristianismo. Há apenas Um que guardou perfeitamente os Seus votos, como o Senhor Jesus diz em Sl 116.18: ‘Cumprirei os meus votos ao SENHOR, na presença de todo o seu povo.’ O Senhor pagou os Seus votos no Calvário e nós descansamos na absoluta verdade de Sua palavra que não pode falhar em vez de descansarmos em nossa própria confiabilidade.”[2]

1.Não devemos nos perder em promessas vazias, pois sabemos que não somos capazes de manter nossa palavra. Por exemplo, podemos manter um programa de leitura da Bíblia toda, mas não precisamos nos martirizar por não conseguir manter em dia os “10 capítulos”. Homens sugeriram a leitura sistemática, não Deus. Outro exemplo são os votos de casamento. É claro que não desmerecemos a cerimônia, mas sabemos que aqueles votos deveriam ser encarados como um pedido de misericórdia ao Senhor para nos ajudar a confiar Nele para manter aquele casamento, pois somente a graça Dele em nossos lar pode fazer isso possível e não nossas promessas no altar. Não precisamos criar fardos para tentarmos carregar, pois em algum momento da jornada precisaremos pedir que a graça do Senhor nos alivie de nós mesmos. As promessas de nos tornarmos pessoas melhores com um corpo caído pelo pecado é inútil. Quando formos transformados de nosso corpo mortal à imortalidade, então, não precisaremos fazer nenhum voto, pois será um prazer obedecer ao Senhor completamente. Resumindo: hoje não tenho condições de fazer promessas e cumpri-las. Na glória, não precisarei fazer promessas.

2.O texto fala da validade dos votos do homem, da mulher solteira e casada, do pai da moça e dos votos da viúva e da divorciada (v.1-16).

Os votos[1]
1.Voto é compromisso, consagração, entrega, devoção
2.Voto é autoimposição, auto sacrifício e autodisciplina com o fim de melhorar o caráter e devoção
3.Voto pode ser uma barganha onde prometo algo e Deus me dá por causa de minha justiça
4.Voto de nazireado se repete hoje quando mães não cortam cabelo do filho
5.Votos insensatos não eram levados em conta no VT. Exemplos: De Saul (não comer mel) e de Jefté (matar o primeiro que passasse pela porta)
6.Voto, alguns dizem, é o que eu prometo fazer e juramento é aquilo que eu prometo não fazer
7.Votos podiam ser precipitados (Ec 5.5-6 e Pv 20.25)
8.Votos podiam ser invalidados através de uma oração (koi nidre) no dia da expiação (invenção dos judeus e não ordem de Deus)
9.Voto perverso era o voto de Corbã (Mt 15.3-9. Não cuidar dos pais para dar o dinheiro a Deus)
10.Votos são muito fracos comparados à dedicação cristã (Mt 22.37-38)
11.Votos na Lei provaram que humanidade não é digna de confiança com respeito a manter suas promessas
12.Votos foram mencionados por Jesus e a Ele devemos ouvir, hoje (Mt 5.33-37)
13.Votos não têm lugar no Cristianismo (Leslie M. Grant)
14.Votos cumpridos, somente Jesus guardou perfeitamente em Sl 116.18 (Leslie M. Grant)
15.Votos de valor foram cumpridos no Calvário e nós descansamos na absoluta verdade de Sua palavra que não pode falhar em vez de descansarmos em nossa própria confiabilidade (Leslie M. Grant)
16.Votos de Plano de Leitura Bíblica podem se tornar um fardo que Deus não colocou sobre nós, mas nós mesmos seguindo sugestões dos homens
17.Votos de casamento deveriam ser encarados como um pedido de misericórdia ao Senhor para nos ajudar a confiar Nele para manter aquele casamento, pois somente a graça Dele em nossos lar pode fazer isso possível e não nossas promessas no altar
18.Votos, hoje, não são aconselháveis, pois não tenho condições de fazer promessas e cumpri-las
19.Votos na glória, não serão necessários, pois não precisarei fazer promessas
20.Votos humanos são falhos e desnecessários. Não confie nas promessas que você faz para Deus. Confie nas promessas que Ele faz, pois Ele as cumpre para o nosso bem.



[1] Algumas notas são da Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia (6 volumes), vol. 6, pg. 689-690 – Russell Norman Champlin e Pastor João Marques Bentes – 1991 – 4a edição 1997 – Editora e Distribuidora Candeia
[1] Notes on Numbers Dr. Thomas L. Constable, pg. 96 (Published by Sonic Light - 2014 Edition)
[2] Comments on the book of Numbers – Leslie M. Grant (biblecentre.org)
[3] Algumas notas são da Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia (6 volumes), vol. 6, pg. 689-690 – Russell Norman Champlin e Pastor João Marques Bentes – 1991 – 4a edição 1997 – Editora e Distribuidora Candeia

Nenhum comentário:

Postar um comentário