Juízes 9

Capítulo 9: O desejo mortal pelo poder
1.Abimeleque era sedento pelo poder sobre seu povo e tentava manipular as pessoas com bons discursos sobre si mesmo. O povo se simpatizou com Abimeleque e queria tê-lo como seu líder, patrocinando-o com dinheiro. Abimeleque não queria nenhum tipo de ameaça ao seu poder e, por isso, usou o dinheiro para matar os irmãos de Gideão, mas um deles conseguiu fugir, Jotão. A parábola de Jotão é a mais conhecida do Velho Testamento e de forte teor político (v.1-15).

2.A aplicação da parábola estava toda em Abimeleque que se tornaria um déspota, um tirano sobre o povo. A maldade de Abimeleque serviu a um propósito de Deus, pois os irmãos de Jotão foram vingados com a morte dos cidadãos de Siquém. Abimeleque teve todas as vitórias até o momento e
não parecia que o poder dele pudesse ser detido. Porém, Deus usando as coisas fracas para envergonhar os fortes, usou uma mulher para a queda de Abimeleque (v.16-57).

“Seu reinado [Abimileque] turbulento de três anos, obtido por meio de enganos e mantido à força, foi apenas um incidente no desenvolvimento da monarquia, visto que o reinado não sobreviveu à sua morte. Da mesma forma, o oportunista Abimeleque não merece um lugar entre os juízes de Israel, os quais ocupavam esta posição em face de seu caráter e das realizações pró-libertação do povo.”[1]

O que faz a maldade do poder (Jz 9)
1.O poder propõe a centralização (v.1-3)
2.O poder anula os irmãos como se fossem uma ameaça (v.4-6)
3.O poder é previsível e se aproveita da falta de comprometimento e indiferença das pessoas (v.7-21)
4.O poder pode sofrer traição e ser ameaçado (v.22-50)
5.O poder humano chega ao fim (v.51-57)



[1] Juízes e Rute, pg. 123 – Introdução e Comentário – Artur E. Cundall e Leon Morris (Ed. Vida Nova – SP – 1ª ed. 1986)

Nenhum comentário:

Postar um comentário