Quem é o homem segundo a Bíblia

Texto "Quem é o homem segundo a Bíblia"[1]
Gênesis nos lembra que o homem é caído em Adão, assassino igual a Caim, briguento como Lameque e rebelde como os contemporâneos de Noé. Contencioso como os pastores de Abrão e Ló. O homem é revoltoso feito os construtores de Babel, sequestrador como os quatro reis e imoral na baixeza dos sodomitas. O sorriso do homem é sarcástico como o de Sara e os atalhos iguais ao dela, Abrão e Agar. A enganação de Jacó e as trapaças de Labão continuam a corromper o homem, mas também a inveja dos irmãos de José o corrói como traças.



Êxodo nos acusa de sermos escravos do pecado assim como os judeus do Egito. O homem adora seu bezerro de ouro, enquanto reclama do alimento e da liderança de Deus.

Levítico mostra que o homem peca até quando não sabe que está pegando. O homem oferece fogo estranho e está contaminado como um leproso. Os votos do homem a Deus por vezes são mentirosos.

Números sem fim são as murmurações do homem: Contra Deus, contra os líderes e o alimento.
A repetição da Lei duplica o pecado homem por não amar a Deus acima de tudo. Até o líder peca ferindo a Rocha que é Cristo.

Josué conquista, mas o homem não avança nos planos de Deus. O homem por ganância tem uma capa escondida e por não consultar a Deus recebe ao gibeonita.

Num vai e vem de desobediência os Juízes livram o homem, mas nem os próprios libertadores são melhores. Pode ser um Sansão na força, mas fraco em obediência.

Samuel, Reis e Crônicas provam que homem, ainda que rei leva uma vida espiritual de mendigo.

Esdras e Neemias mostram a vergonha praticada pelo homem que é capaz de explorar os irmãos vindos do mesmo cativeiro.

Ester apresenta o homem cheio de ostentação, invejoso, traidor, mas que um dia cai na própria forca.

Jó delata o mais íntegro dos homens como um que fala do que não sabe.

Até o livro dos louvores coloca o homem como um frequentador de uma roda de escárnio e um se cala em seus pecados.

O homem que lê Provérbios pensando ser sábio nada tem aprender por ser tolo.

O homem não sabe amar uma mulher como nos Cânticos e nem o Pregador lembrar do Criador quando é moço.

Os profetas maiores também têm algo depreciativo sobre o homem. Isaías diz que o melhor do homem ainda é trapo sujo. Jeremias ironiza que o homem até paga falsos profetas para enganá-lo. Ezequiel apresenta o homem como um pastor que não cuida de suas próprias ovelhas e Daniel profetiza que o homem acordará para a vergonha e desprezo eterno.

Os profetas menores, mesmo com pouco espaço para descrever o homem deixaram claro que o homem é infiel, adúltero, beberrão, mentiroso, arrogante, vingativo, avarento, violento, afrouxador das leis, adorador das estrelas, dedicado ao conforto de sua casa, mas relapso para com a casa e causa de Deus, desprezador dos pequenos começos e ofertante de coisas estragadas a Deus.

Chegando ao Novo Testamento, o homem rejeita o Filho do Homem, o homem perfeito, Jesus Cristo.

Atos mostra o homem perseguindo os servos do Salvador Jesus.

As cartas de Paulo fazem um estudo aprofundado de quem é o homem. Romanos diz que é um pecador indesculpável. Coríntios mostra o homem como imoral e partidário. Gálatas, sem elogiar, denuncia o homem como legalista. Efésios reconhece o homem vivo, mas morto em seus crimes e pecados. Filipenses chama o homem de cão perigoso. Colossenses mostra o homem como filósofo, mas de filosofias vazias. Tessalonicenses não mede palavras para dizer que o homem é insubordinado e que merece a chama da vingança de Deus para perdição eterna. Paulo alerta Timóteo, Tito e Filemom que o homem só vai de mal a pior, sendo mentiroso, briguento, glutão e ladrão.

Mesmo não sabendo quem Deus usou para escrever Hebreus, o autor afirmou que o homem morrerá e sofrerá juízo e não haverá outra oportunidade.

Tiago diz que o homem tem veneno na língua e Pedro fala que por falta de freio em sua dissolução o homem vai ter que dar conta no juízo, mesmo que pensa que nunca chegará a destruição do mundo e dele próprio.

O apóstolo do amor não desculpa o homem que é assassino mesmo quando não mata o físico, mas odeia no coração. As cartas do amor chegam a comparar o homem com o anticristo.

Perto do final da Bíblia, Deus, por intermédio de Judas, adverte que do homem até a roupa é contaminada pela carne.

Finalmente, o assustador Apocalipse termina amaldiçoando o homem unicamente por suas obras más ao Lago de Fogo.

Para não terminar este texto em prosa sem esperança, para este mesmo homem Jesus convida:  "... Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, receba de graça a água da vida."




[1] por Pércio Coutinho Pereira em 2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário