Juízes 10

Capítulo 10: Servidão e desejo por libertação
O ciclo se repetia de idolatria, opressão, arrependimento, clamor e libertação. Deus usou Tola e Jair para libertar o povo. Após um tempo, o povo ficou dominado pelo amonitas e desejo de ter outro homem de Deus para ajudá-los. Não deve ser estranho para o leitor da Bíblia reconhecer que a ira de Deus não é injusta, pois Ele cobriu Israel de bênçãos, proteção e cuidado constante, mas ainda assim a nação se desviou adorando ídolos. A forma de chamar a atenção do povo foi a opressão dos
inimigos (v.1-18).

“Aparentemente, Midiã era uma tribo nômade do deserto da Arábia. Para invadir a porção norte de Israel, eles precisariam atravessar a tribo de Gade. É fascinante que, até Jair (10.3-4), nenhuma menção é feita às tribos do leste e, então, elas simplesmente são chamadas ‘Gileade’. Aparentemente sua influência tinha diminuído. Parece que Judá e Benjamim também não foram envolvidas nessa guerra.”[1]

A graça permanente (Jz 10)
1.O cuidado de Deus é permanente (v.1-5)
2.A desobediência do homem é permanente (v.6)
3.A disciplina de Deus para alcançar o desobediente é permanente (v.7-10)
4.A exortação de Deus é permanente (v.11-15)
5.A compaixão de Deus é permanente (v.16-18)



[1] The Chronology of Judges: Another Look - David L. Washburn (Dallas Theological Seminary and Galaxie Software 1997)

Nenhum comentário:

Postar um comentário