Juízes 11

Capítulo 11: Jefté
1.Jefté era filho de uma prostituta, mas isso não o desqualificou para ser o libertador de Israel. Não podemos finalizar a qualificação de alguém pela família, pois pessoas já impressionaram tanto por se tornarem melhores do que os pais quanto piores. As pessoas são julgadas individualmente porque elas possuem escolhas. A maldição hereditária é uma tentativa frustrada de determinar o destino das pessoas baseado na família. Jefté foi desprezado pelos irmãos e ele não se juntou a pessoas de bom caráter. Porém, fica claro que Jefté tinha um espírito de líder, pois foi convidado a liderar o povo para combater os amonitas. Jefté queria garantias de que seria o chefe permanente
deles e não apenas naquele aperto. O povo aceitou (v.1-11).

2.A questão dos amonitas era antiga. Desde a saída do povo de Israel do Egito. Jefté conhecia muito bem a história e provou que a terra dos amonitas não foi roubada, mas o próprio Deus presenteou Israel com a terra devido à incredulidade e hostilidade dos amonitas. É muito importante conhecer a origem dos assuntos para termos autoridade com as palavras e argumentos. Nossa fé precisa se fundamentar em fatos bíblicos bem conhecidos. Jefté tentou explicar de modo pacífico que os amonitas que estavam provocando Israel e não o contrário. Porém, do outro lado não havia esse espírito de pacificação e, por isso, Jefté guerrou contra os amonitas (v.12-29).

3.O famoso voto de Jefté tem causado tanta discussão entre os estudiosos da Bíblia que é quase impossível saber do que realmente se trata. Até o momento, o autor desse material acredita que Jefté não matou a própria filha. Abaixo os argumentos defendidos. É certo que em assuntos obscuros, ou seja, de pouca elucidação não devemos ser dogmáticos, por isso, entendo que haja pensamentos diferentes sobre o assunto (v.30-40).

“[Jefté era] filho de uma prostituta, ou seja, um bastardo. Embora não fosse comum entrar na congregação do Senhor em tal situação (Dt 23.2), Deus pode às vezes, rescindir de sua própria lei e conceder honra a pessoas nascidas longe do padrão da lei, sendo que algumas até foram admitidas para serem progenitoras do Senhor Jesus Cristo.”[1]

A extensão da intolerância humana (Jz 11)
1.O homem não tolera o bastardo quando ele próprio não é o bastardo (v.1-2)
2.O homem não tolera os interesseiros quando ele próprio não é o interesseiro (v.3-7)
3.O homem não tolera o roubo quando ele próprio não é o ladrão (v.8-13)
4.O homem não tolera o estrangeiro quando ele próprio não é o estrangeiro (v.14-20)
5.O homem não tolera o argumento do outro quando ele não tem argumento melhor (v.21-28)
6.O homem não tolera o prejuízo quando ele próprio é o prejudicado (v.29-40)

Sobre o voto de Jefté com respeito à filha dele (Jz 11)
1.Este é um dos casos mais misteriosos do livro dos juízes.

2.Aparentemente Jefté ofereceu sua filha como sacrifício, cumprindo assim o voto apressado que fizera (11.30-31, 39).

3.Porém, o sacrifício humano é totalmente repudiado por Deus, como era para o povo de Israel. Era uma prática cananeia.

4.Deus deixou bem claro que nunca haveria sacrifício humano que O agradasse, conforme vemos no episódio de Abraão e Isaque.

5.A primeira menção de um sacrifício humano entre os israelitas foi só no reinado de Acaz (743-728 a.C.).

6.A filha de Jefté lamentou por dois meses a sua virgindade (bet_lim) e não a sua suposta iminente morte (11.37-38).

7.No v.39 não diz que após ter sido cumprido o voto, oferece-a como “holocausto”, mas sim que ela “não conheceu homem algum”.

8.Ora, se ela tivesse sido morta, essa declaração não importava em nada, mas ela não morreu e sua vida não foi dedicada a homem algum, mas ao serviço do Senhor à porta do tabernáculo durante o restante de sua vida (veja Êx 38.8, 1 Sm 2.22, Lc 2.36,37). Houve um abrandamento do voto por Jefté.

9.O prejuízo foi para Jefté também, pois sendo ela sua única filha, a linhagem dele foi extinta.

O que dizem alguns comentaristas bíblicos sobre o voto de Jefté (24 comentaristas)[2]

                  Os que afirmam que ela foi morta (16 comentaristas desta lista)
1. Dr. Thomas L. Constable – A filha foi morta
2. Novo Comentário da Bíblia – A filha foi morta
3. Comentário Bíblico NVI – A filha foi morta
4. The Pulpit Commentary – A filha foi morta
5. Leslie M. Grant – A filha foi morta
6. Russell Norman Champlin – A filha foi morta
7. Comentário Bíblico Moody – A filha foi morta
8. Expositor's Bible Commentary – Prof. Marcus Dods – A filha foi morta
9. Keil & Delitzsch – A filha foi morta
10. Martinho Lutero – A filha foi morta
11. Samuel Ridout – A filha foi morta
12. Henri L. Rossier – A filha foi morta
13. Arno Clemens Gaebelein (Annotated Bible) – A filha foi morta
14. Robert Hawker – A filha foi morta
15. The Cambridge Bible for Schools and Colleges – A filha foi morta
16. Albert Barnes – A filha foi morta

                    Os que afirmam que ela foi dedicada ao celibato perpétuo (8 coment. da lista)
1. Warren W. Wiersbe – A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
2. Matthew Henry – A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
3. John Gill - A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
4. William MacDonald - A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
5. Treasury of Scriptural Knowledge - A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
6. John Wesley - A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
7. Adam Clarke - A filha foi dedicada ao celibato perpétuo
8. Leon Wood - A filha foi dedicada ao celibato perpétuo



[1] John Wesley's Explanatory Notes on the Whole Bible - Juízes 11.1 - extraído de e-sword version 10.3.0 – 2014
[2] Lista de comentários pesquisados por Pércio Coutinho Pereira a partir de e-sword version 10.3.0 – 2014, do site www.biblecenter.org, e de sua biblioteca pessoal

Nenhum comentário:

Postar um comentário