1 Samuel 5

Capítulo 5: A Arca de Deus tornou-se maldição contra os filisteus
Os filisteus acreditavam que a arca, além de estar longe dos israelitas, traria sorte a eles. Muitas pessoas se chegam até os símbolos e verdades do Cristianismo e se apegam por crendices e não por fé no Deus verdadeiro. Não havia fé verdadeira nos filisteus. Eles apenas colocaram a arca que simboliza a presença de Deus junto com seu deus Dagom. Num ato divino, a imagem de Dagom caiu em frente da Arca. Isso demonstra que os ídolos caem diante do Deus verdadeiro. Necessariamente, isso não acontecerá sempre e, por isso, não precisamos sair por aí derrubando imagens ou esperando que os ídolos se despedaçaram. Aqui foi uma demonstração do poder de Deus, mas ainda milhões de imagens de outros povos ficaram em pé. No segundo dia, novamente, Dagom caiu e desta vez ficou quebrado. Os sacerdotes, por causa disto, passaram a não pisar a soleira, mas pulá-la, pois Dagom tocou o chão ao cair a cabeça e braços ficaram na soleira. O profeta Sofonias menciona o poder de Deus sobre os ídolos (Sf 1.9). É muita ingenuidade pensar que seja possível
separar o ídolo do adorador. Deus vê essa ligação como rebelião e, por isso, lança maldição não apenas sobre o ídolo que é derrubado se quebra, mas sobre os adoradores, os quais ficam doentes, cheios de tumores. Os idólatras reconheceram que a Arca deveria sair dali, pois entenderam que a maldição e doença foi infligida pelo Deus de Israel. Um conselho da nação se reuniu e concordou que a Arca deveria sair da Filístia. A Arca foi tirada de Asdode (Azoto em Atos 8), mas não foi devolvida para Israel e sim transferida para outra cidade da Filístia, Gate. O resultado foi que mais pessoas da nação ficaram doentes, cheias de tumores. Aliás, todas as pessoas da cidade ficaram doentes. Levaram para outra cidade da Filístia, Ecrom. Ali se adorava Belzebu, o senhor das moscas. A Arca já não era vista como proteção, mas como maldição sobre o povo e, claro, os ecromitas não queriam aquele “presente”. A decisão mais sábia era devolver a Arca de Deus ao povo de Deus. Muitas mortes e doenças foram espalhadas entre os filisteus (v.1-12).

“Asdode foi então visitada pelo Senhor com a terrível praga das hemorroidas (em heb. 'ophelim, "ferimentos"). Julga-se que se trata da peste bubônica, tão frequente na Ásia, cujos sintomas eram o inchaço das glândulas linfáticas nas virilhas.”[1]

O mundo tenta se superar (1 Sm 5)
1.Superar-se na adoração de ídolos (v.1-2)
2.Superar-se de suas derrotas religiosas (v.3-5)
3.Superar-se de suas doenças (v.6-10)
4.Superar-se de suas tragédias e mortes (v.11-12)



[1] Novo Comentário da Bíblia, 1 Samuel pg.13 (Editado pelo Prof. F. Davidson, MA,DD. Editado em Português pelo Rev. D. Russell P.Shedd, MA, BD, PhD – Edições Vida Nova – São Paulo – SP – 2000)

Nenhum comentário:

Postar um comentário