1 Samuel 14

Capítulo 14: Vitória, voto e proteção para Jônatas contra o próprio pai
1.Jônatas era arrojado, ousado. A intenção dele era derrubar os filisteus. Ele não pediria para o seu pai, pois ele jamais deixaria Jônatas fazer uma loucura dessa. Os jovens podem ser muito corajosos, basta canalizar sua mente nos objetivos certos. Jônatas cria verdadeiramente no poder de Deus, mas também na vontade Dele. Algumas pessoas colocam na cabeça um alvo e chamam isso de vontade de Deus. Jônatas estava pronto para derrotar o inimigo, não importava se estivesse apenas ele e seu servo. Porém, se Deus mostrasse que ele não deveria atacar ele obedeceria a Deus. O servo de Jônatas também é um exemplo de submissão e obediência. O sinal de Deus para Jônatas seria o convite ou não dos filisteus para eles se aproximarem do acampamento. Jônatas entendeu que Deus estaria com ele e seu servo, por isso, Jônatas derrubava os soldados e o servo os matava. Mataram 20 soldados. Os demais filisteus ficaram com muito medo. Talvez pensassem que vários hebreus
estavam atacando. A confirmação de Deus veio por um terremoto, o que deixou os filisteus mais apavorados. No acampamento dos israelitas, viram de longe que os filisteus estavam perdidos, pra cá e pra lá. O rei Saul mandou contar os homens, pois quem não estivesse ali, certamente era o responsável por aquele alvoroço entre os filisteus. Descobriram que era Jônatas e seu armeiro. Saul pedira ajuda ao sacerdote para consultar o Senhor, mas acabou dispensando, pois com toda a certeza Deus já tinha respondido atacando o exército dos filisteus por meio de Jônatas e seu servo. Saul aproveitou e atacou os filisteus. Até os hebreus traidores, os quais estavam no acampamento dos filisteus, retornaram ao exército de Israel. Os hebreus escondidos em cavernas também se juntaram ao exército de Saul. Foi uma grande vitória que não dependeu de quantidade, mas de fidelidade ao Senhor e coragem Nele (v.1-23).

“Os filisteus estavam, pelo poder de Deus, lutando uns contra os outros. O mais evidente era que Deus fez isso. Saul perguntaria se Deus queria que ele fizesse alguma coisa. Mas Saul estava tão ansioso para lutar contra o inimigo caído, que não esperou o fim de suas devoções, nem ouviu o que Deus responderia.”[1]

Enviados por Deus (1 Sm 14.1-23)
1.Quem é mandado por Deus é determinado (v.1a)
2.Quem é mandado por Deus não se prende pelos pais (v.1b)
3.Quem é mandado por Deus não espalha os seus planos a todos (v.2-3)
4.Quem é mandado por Deus não vê montanhas como obstáculo, mas como oportunidade (v.4-5)
5.Quem é mandado por Deus não se preocupa com quantidade (v.6)
6.Quem é mandado por Deus é obediente (v.7)
7.Quem é mandado por Deus aguarda o sinal Dele para agir (v.8-15)
8.Quem é mandado por Deus motiva outros a entrarem na batalha do Senhor (v.16-23)

2.Não era uma boa estratégia fazer jejum em dias de batalha. Lembramos de Paulo, naquele navio em direção a Roma. Ele insistiu para que os homens comessem, pois precisariam forças para a tempestade e o naufrágio. Saul fez um voto precipitado, um hábito que estava crescendo em sua vida. A precipitação causa muitos males sobre as pessoas que amamos. Devia ter sido uma tentação muito grande, estar com fome e ver o mel bem acessível ao faminto. O povo estava com medo do voto maldito de Saul. Conduzir as pessoas pelo medo nunca produz bons resultados. Jônatas, a quem todo o Israel devia a vitória sobre os filisteus, experimentou do delicioso mel, porém, não sabia do voto precipitado do pai. O fato é que, cansado da batalha, ao comer do mel, os olhos de Jônatas brilharam. Certamente a boca do povo salivou de vontade. Quando Jônatas ouviu sobre a maldição do pai, ele discordou, pois, de fato, era uma ordem tola. Jônatas até argumentou que se tivessem pegada da comida dos filisteus derrotados, a vitória seria muito maior. Quanto poderíamos conquistar também, se desfrutássemos mais da graça do Senhor Jesus. O povo estava tão faminto e, agora, ouvindo o argumento de Jônatas, quando chegou à tarde e já livres do voto, comeram o gado ali mesmo com sangue e tudo. Alguém denunciou o ato para Saul e este providenciou um modo de comerem em um lugar apropriado. Quando as ordens são infundadas, como a de proibir de comer em tempo de batalha, tudo fica transtornado. A fome tomou conta dos soldados famintos e, por isso, agiram de modo impensado. Saul era muito voltado ao ritualismo, mas não usava o bom senso (v.24-35).

“Saul não era totalmente insensível a Jeová e Sua vontade. Podemos ver isto em seu interesse em observar o ritual da lei dieta (1 Sm 14.33) e seu desejo de honrar a Deus pela vitória (1 Sm 14.35, Êx 17.14-16). Entretanto, Saul pode ter construído este altar simplesmente para fazer uma reparação por sua transgressão legal, não para expressar gratidão pelo dia da vitória.”[2]

O veneno da precipitação (1 Sm 14.24-35)
1.A precipitação é venenosa porque age sem pensar (v.24)
2.A precipitação é venenosa porque não considera o melhor (v.25)
3.A precipitação é venenosa porque amedronta as pessoas (v.26)
4.A precipitação é venenosa porque coloca pessoas desavisadas em perigo (v.27-28)
5.A precipitação é venenosa porque provoca irritação e contra-argumento nas pessoas (v.29-30)
6.A precipitação é venenosa porque faz as pessoas pecarem contra Deus (v.31-32)
7.A precipitação é venenosa porque faz do precipitado um hipócrita (v.33-35)

3.O povo ainda segue o seu rei, Saul. Deus não respondeu a Saul na primeira vez e, por isso, suspeitava-se de algum pecado entre o povo. Saul estava pronto a castigar o pecador, ainda que fosse o próprio filho. O povo sabia, mas nada respondeu para proteger Jônatas. Deus permitiu que a sorte caísse sobre Jônatas e este confessou que comeu mel quando a ordem do rei era não comer nada naquele dia. O rei Saul, mais disposto a cumprir sua própria lei do que mostrar misericórdia a quem ajudou tanto a Israel, prometeu matar Jônatas. O povo se indignou, pois não era justo. Saul cedeu à pressão do povo. Quando estamos mais prontos a cumprir regras absurdas do que a confiar na provisão maravilhosa de Deus para cada situação da vida, tornamos nossa existência e a de outros muito amarga (v.36-46).

3.Saul era valente, cheio de iniciativa e poderia ser um excelente rei. Ele conseguia ver pessoas de valor perto dele, mas a sua precipitação e inveja foram sua ruína. Os próximos versículos falam de suas guerras contra os filisteus e sua família (v.47-52).


Quando a falta de ajustes do bom senso perturba a todos (1 Sm 14.36-52)
1.Algo não fica bem entre você e Deus (v.36-37)
2.Um peso de pecado fica sobre você (v.38)
3.As pessoas querem te ouvir, mas não concordar (v.39)
4.Você se coloca como réu diante das pessoas (v.40)
5.Deus permite que você chegue à conclusão do assunto por amor ao Seu povo (v.41-42)
6.Você se torna cruel, mesmo contra toda sua família (v.43-44)
7.Você fica nas mãos de pessoas de bom senso e não em sua sabedoria (v.45-52)



[1] Matthew Henry's Concise Commentary on the Whole Bible, 1 Sm 14 (Published in 1706 extraído de e-sword version 10.3.0 - 2014)
[2] The Expository Notes of Dr. Constable (Dr. Constable's Bible Study Notes – 1 Sm 14.32 - Copyright 2012 by Dr. Thomas L. Constable (extraído de e-sword version 10.3.0 – 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário